Car.blog.br

Pesquisar este blog

Volkswagen T-Cross: crossover global com foco urbano

Categorias: , 22 Comentários

O Volkswagen T-Cross é o é o menor SUV no line-up da marca lançado até agora no mercado europeu. Ele empresta sua base do VW Polo, e é construído na mesma plataforma (MQB A0) do Seat Ibiza e do Audi A1. Funcionalmente é um irmão do Seat Arona e do Skoda Kamiq.

Volkswagen T-Cross

Embora o T-Cross seja realmente muito semelhante em tamanho ao T-Roc (aquele construído em uma plataforma relacionada ao Golf), a VW está comercializando o T-Cross como o carro mais prático e familiar dos dois. O T-Roc, enquanto isso, posiciona-se como uma proposta jovem, mais consciente da moda, embora para esses olhos o T-Cross seja o carro mais ousado. A Volkswagen espera que a T-Cross atraia as famílias jovens, bem como alguns clientes mais velhos, devido ao teto alto e à posição de direção elevada.

Volkswagen T-Cross

Todas as variantes do T-Cross serão de tração dianteira; sua plataforma do Polo não permite a adoção de um sistema de tração 4x4 e além disso, ele é muito mais um crossover urbano, e não um off-road.

Volkswagen T-Cross

Comparado com o Polo, o T-Cross custa vários milhares de euros a mais, dependendo do acabamento e da especificação, e é amplamente comparável ao T-Roc - embora o T-Roc esteja disponível com uma ampla gama de motores.

Volkswagen T-Cross

No lançamento, o T-Cross começa em 23.200 Euros,e chega a 28.900 euros na versão R-Line top de gama com uma caixa de câmbio DSG.

Como é dirigir o VW T-Cross?

Você senta mais alto do que no Seat Arona, e parece mais um SUV do que um hatchback alto. Previsivelmente, o seu manuseio é semelhante ao Arona, embora haja talvez um toque mais corporal. Ele é plantado e aderente, e também se sente muito estável em auto-estrada, com uma sensação incomumente segura e amarrada de um carro pequeno e alto.

Volkswagen T-Cross

Isso se deve em parte à suspensão que parece ter recebido uma configuração relativamente firme. A qualidade do passeio é em grande parte suave, mas um pouco trêmula em estradas esburacadas, algo que você sente mais como um passageiro do que como um motorista.

Volkswagen T-Cross

O modelo das imagens é um topo R-Line e conta com rodas de 18 polegadas (modelos S de nível de entrada são em rodas de 16 polegadas e os intermediários SE e SEL em 17), com amortecedores de perfil relativamente alto. Todos os carros andam em amortecedores passivos; adaptativos não estão disponíveis.

Volkswagen T-Cross

O refinamento do passeio impressiona. Há pouco ruído na estrada e o motor é incrivelmente silencioso, especialmente para um de três cilindros.

Motores

A partir do lançamento na Europa, o T-Cross está disponível com apenas um motor a gasolina de 1.0 litros e três cilindros (como visto em vários outros carros da VW Group, incluindo o Polo e Ibiza), com duas saídas de potência: 95 cv e 115 cv.


O primeiro está disponível apenas com uma caixa de câmbio manual de cinco marchas, enquanto a versão de 115 cv pode ser usada com um câmbio manual de seis marchas ou um DSG de sete marchas com transmissão dupla.

Volkswagen T-Cross

Embora ainda não tenha sido confirmado, o motor a gasolina Evo de 1,5 litro da VW com fechamento de cilindro ativo pode se juntar à linha mais tarde. Um diesel 1.6 TDI está disponível em alguns mercados europeus.

Volkswagen T-Cross

Os testes do T-Cross com o motor 1.0 de 115 cv mostram que parece ter desempenho suficiente para o tamanho do carro. É um motor silencioso, no entanto, especialmente em um cruzeiro, e muito suave para três cilindros. O T-Cross 1.0 TSI DSG-7 acelera de 0 a 100 km/h em 10,2 segundos e atinge 193 km/h de velocidade máxima. O consumo, na norma WTLP, combinado: 16,1 km/l. Em tráfego lento: 13,5 km/l; em tráfego médio: 17 km/l; em tráfego rápido: 18,5 km/l; em tráfego muito rápido: 15,4 km/l.

Volkswagen T-Cross

Na Europa ele está disponível com duas opções de caixa de câmbio; o DSG se sente bem calibrado, com avanço progressivo pela cidade e um trem de pouso alto para a rodovia, enquanto o manual de seis marchas tem o toque liso e bem amortecido que caracteriza os produtos mais modernos da Volkswagen.

Interior

Sem surpresa, muito semelhante ao Polo na maioria dos aspectos, com ergonomia eminentemente sensível e um tema de estilo angular. Está tudo muito sóbrio, embora alguns painéis coloridos estejam disponíveis para animar.

Volkswagen T-Cross

O ponto alto do quadril faz com que ele pareça maior do que um supermini, e há um ambiente relativamente sofisticado no geral. Os painéis de porta são feitas do mesmo material, sem qualquer acabamento em tecido, mesmo em modelos R-Line de nível superior, o que talvez seja um pouco decepcionante para um carro com preço médio de 23 mil euros.

VW T-Cross - porta-malas - espaço traseiro

É bem equipado, no entanto. A iluminação ambiente é padrão - um mod-con que está começando a chegar de modelos mais sofisticados para carros menores em todo o mercado - e um sistema de áudio Beats é uma opção.

VW T-Cross - porta-malas - espaço traseiro

Em todos os níveis de acabamento os assentos são atraentes e confortáveis, mas poderiam fazer com um toque mais apoio lateral; faça uma rotatória com pressa e terá de se preparar para evitar o atrito com os passageiros, para os quais não existem pegas ao longo dos carris do teto.

Volkswagen T-Cross

Os dois níveis de acabamento mais altos recebem um painel de toque de oito polegadas no meio do painel com compatibilidade com o smartphone, e as versões de linha R recebem o painel de instrumentos digital do Active Info Display, claro e configurável. Um revestimento de plástico preto brilhante ajuda as duas telas a ficarem visualmente geladas, e ainda há um conhecimento razoável de aparelhagem física abaixo da tela do meio para os controles de ar-condicionado. Para facilidade de uso, é um dos cockpits mais intuitivamente dispostos atualmente à venda.

Volkswagen T-Cross

Os tradicionalistas se alegram: há uma alavanca de freio de mão física adequada com a opção de caixa de câmbio e ainda espaço para dois porta-copos ao lado e uma caixa de arrumação atrás.

Praticidade

Pode estar relacionado ao Polo, mas o T-Cross é consideravelmente maior. Com 4.1m de comprimento, o T-Cross é 55mm mais comprido que um Polo e sua plataforma modular permitiu que o eixo dianteiro fosse movido notavelmente para a frente, liberando um espaço interno maior.

Novo VW T-Cross 2020 - interior

A distância entre eixos de 2.5m da T-Cross é grande em relação ao comprimento total e um passageiro de 1,82 m pode sentar-se atrás de um motorista de 1,82 m. O assento traseiro médio é apertado, no entanto, de acordo com o Polo e o Ibiza. É melhor salvá-lo somente para uso ocasional, e o T-Cross é mais adequado para uso em quatro lugares do que em cinco.

Porta-malas

Sua peça de festa é um banco traseiro deslizante equipado como padrão em toda a gama, adaptado do VW Tiguan. Com 14cm de capacidade de deslizamento, ele pode liberar espaço adicional na bagageira até o volume total de 445 litros, com o banco deslizando para a frente e 385 litros com todo o caminho de volta. O T-Roc, por contexto, é um fixo 445 litros.

VW T-Cross - porta-malas - espaço traseiro

Os assentos traseiros dobram-se em uma divisão 40:60 e um banco dianteiro dobrável é uma opção para ajudar a carregar itens mais compridos. Um flutuador de inicialização de altura variável é instalado em todos os modelos S, exceto na base

Volkswagen T-Cross

E há pontos USB em abundância; dois para passageiros da frente e dois para a retaguarda.

Mais alguma coisa que você deveria saber?

A plataforma MQB A0 traz consigo uma variedade de sistemas de segurança ativos. Existem algumas melhorias em relação aos sistemas similares instalados no Polo; o sistema de radar / câmera Front Assist pode detectar ciclistas, bem como carros e pedestres, por exemplo.

Volkswagen T-Cross

Lane Assist e Light Assist (farol automático) usam a mesma câmera frontal no para-brisas. O primeiro não é exatamente o mesmo que o auxílio de manutenção de pista no Passat, dirigindo o carro automaticamente em uma trajetória constante; em vez disso, só intervém se uma partida de faixa for iminente. Para manter o Euro NCAP feliz, ele é sempre ligado automaticamente toda vez que você liga o carro, mas ele pode ser desativado rapidamente com o pressionar de alguns botões no volante.

Volkswagen T-Cross

Um carro global, carros do mercado europeu serão construídos em Pamplona, ​​e a produção sul-americana e chinesa também está sendo preparada.

Veredito

O T-Cross tem um apelo urbano claro. É totalmente fácil e intuitivo de conduzir, prático para o seu tamanho e estilo com mais carácter do que muitos outros crossovers do grupo VW.

Volkswagen T-Cross

Se o seu nome é confusamente semelhante ao do T-Roc, o seu tamanho e design também são. Mas, se à primeira vista parece correr o risco de canibalizar o próprio patch da VW, a empresa estima que o segmento de SUV compacto dobrará de tamanho nos próximos 10 anos. O T-Cross tem substância suficiente para torná-lo uma opção muito convincente para os compradores que se juntam ao grupo.

22 comentários:

  1. Vamos dar uma variada nas matérias ein carblog só fala do t-cross

    ResponderExcluir
  2. Só mais um suv de shopping! Bom mesmo são os que ofereçem tração 4x4 como a JEEP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    2. Claro tração 4x4 e um stop e n start hueheheuheuhe

      Excluir
    3. A versão diesel 4x4 naotem sistema start-stop

      Excluir
    4. Concordo!
      Tenho necessidade de SUV?
      Tenho! Bora para o Renegade Diesel. É o único SUV legítimo da categoria.
      Não tenho! Golf! O melhor carro nacional.
      Essa de ficar com um pé em cada mundo não dá certo.

      Excluir
    5. O Renegade é um carro para manés. O Flex é uma lesma, anda menos que o up! 1.0 MPI, e o Diesel é caso de internação, pois pagar R$ 128 mil reais em um Jeep Renegade pelado, com 2 airbags, com acabamento fiat, só pode ser louco.

      https://www.car.blog.br/2015/04/renegade-18-flex-at-desempenho-e.html

      O Renegade 1.8 faz de 0 a 100 km/h em 15,3 segundos, 1,1 segundo mais lento que o Up! MPI.

      O T-Cross de 100 mil reais já é infinitamente melhor equipado que essa boquetagem de Renagade de R$ 128 mil. O T-Cross Highline custa R$ 109.990 reais e já é infinitamente mais completo que o Renegade Diesel, que só vem com 2 airbags e não tem faróis de LED. A central multimídia do Renegade é boqueta, e o Renegade tem porta-malas de 250 litros (na verdade um porta-luvas).

      Então, na verdade, o T-Cross Highline é R$ 17 mil mais barato que o Renegade Longitude Diesel e mais equipado.

      Fora que o O Renegade Diesel tem consumo segundo o INMETRO, em ESTRADA, de 11,5 Km/l de diesel, e, na cidade, de 9,4 Km/l de diesel.

      http://www.inmetro.gov.br/consumidor/pbe/veiculos_leves_2019.pdf

      O T-Cross 250 TSI faz 13,2 Km/l de gasolina na estrada, e 11,5 Km/l em cidade, segundo o mesmo INMETRO.

      Ou seja, o T-Cross, que HUMILHA o Renegade em performance, consome MENOS em cidade que o Renegade Diesel em estrada.

      O T-Cross acelera de 0 a 100 km/h em 8,7 segundos, enquanto o Renegade Diesel é 4 segundos mais lento.

      Pior, o Renegade Diesel na pista foi ridiculamente lento, sendo mais lento que Jac J2, Gol rallye, HB20 1.6. O Renegade Diesel deu um vexame na pista, com 1:16.651, andando muito menos que carros lentíssimos. Uma piada, veja:

      https://youtu.be/wYQNolIumxk?t=385

      Nem como consumo o Renegade Diesel vale a pena, vejamos:

      Segundo a ANP, pesquisa de 2019, Fevereiro,
      https://preco.anp.gov.br/include/Resumo_Mensal_Combustiveis.asp, o preço médio do Diesel no Brasil é R$ 3,6 / L, enquanto da gasolina R$ 4,1 / L. Ou seja, não é R$ 1 a diferença, mas R$ 0,5.

      O custo de rodar com o T-Cross 250 TSI é o mesmo do Renegade Diesel, pois o T-Cross é mais econômico.

      Custo para rodar 1000 km com o Renegade Diesel:

      1000 km / (11,6 Km/l) = 86,2 litros de diesel. 86,2 x 4,1 = R$ 310,3 reais

      Custo para rodar 1000 Km com o T-Cross 250 TSI

      1000 km / 13,2 = 75,7 litros. 75,7 * 4,1 = R$ 310 reais.

      Ou seja, o sujeito que compra o Renegade Diesel, paga R$ 17 mil a mais que o T-Cross Highline, gasta a mesma coisa com combustível, e tem um carro infinitamente pior equipado, com menos espaço interno e porta-malas ridículo de 250 litros, e que anda ridiculamente menos.

      Ou seja, o sujeito que compra o Renegade Diesel, tendo o T-Cross no mercado, quem compra o Renegade assina atestado que é fraco intelctualmente e não sabe fazer conta e nem analisar carros, pois está comprando um produto muito pior e mais caro.

      Detalhe. Como o Renegade é vendido aos borbotões para locadoras, a desvalorização dele é imensa. O coitado paga R$ 128 mil em um Renegade pelado, e vende 1 mês depois por menos de R$ 80 mil.

      Renegade Flex: carro para manés. Renegade diesel: carro para manés que precisam ser internados.

      Excluir
  3. Se morasse na Europa prefiria o T-Roc que e baseado no Golf que é mais refinado.

    ResponderExcluir
  4. Agora falaram corretamente, "CROSSOVER"!

    ResponderExcluir
  5. Essas fotos não são do braIBr da masss

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei bastante deste T-Cross, e vejo ele à frente de seus principais concorrentes em 5 pontos: design (externo e interno), qualidade de acabamento, mecânica, segurança e tecnologia.

    O design é superior aos demais (HR-V, Creta, jeep Renegade) por conta de uma linha mais moderna e contemporânea, sem rebuscamento, funcional, e que transmite robustez. Fora isso, ele é o mais eficiente espacialmente (o que oferece mais espaço interno para passageiros).

    O design interior também é superior pela ergonomia típica da plataforma MQB, comandos bem posicionados, e um design de posicionamento de comandos e instrumentos claro e eficiente. O aspecto agrada a vista.

    A qualidade de acabamento é algo que salta aos olhos. Os materiais texturizados, buchas de pressão, revestimentos dos bancos, peças muito bem encaixadas. A carroceria é uma aula de precisão, com vãos delgados e precisos e uniformes.

    A carroceria tem 22 Nm/º de rigidez torcional, muito superior ao Renegade (17.000 Nm/º) e HR-V (15.000 Nm/º), então ele é um monólito de solidez.

    Tem mais, é o único que vem com 6 airbags em todas as versões, o único com painel digital, o único com sensores dianteiros e traseiros, o único com park assist 3.0, o único com painel digital, o único com diferencial XDS+.

    mecânica é outro ponto que faz o T-Cross muito à frente. motores turbo e com injeção direta, com downsizing, que é o auge da tecnologia atual. Câmbio automático com conversor de torque, bloqueio de conversor de torque, e desacoplamento de conversor de torque. E ainda é 10 estrelas no NCAP.

    Com isso, ele anda muito mais e bebe muito menos que os concorrentes.

    Enfim, o T-Cross é a nova referência do segmento de SUV-s compactos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até o up! é mais rígido que HR-V e Renegade...
      T-Cross veio muito forte, deve vender bem, se a VW oferecer boas condições, como fez com Polo

      Excluir
    2. Sério que você gostou? Não imaginei que fosse gostar.

      Excluir
  7. Se o segmento "suv" vai dobrar de tamanho nos próximos 10 anos pra que insistir com polo, virtus, golf ,jetta, etc. Pode parar com tudo isso aí. Só que não tá ok!

    ResponderExcluir
  8. O dia que vc falar que não gostou de qualquer VW sera internado e tratado com remédios controlados,tenha bom senso e analise sem paixao dessa ou daquela marca,nos ficaríamos chateados pois não teríamos de quem zoar.

    ResponderExcluir
  9. Ao contrário do apregoado aqui sobre a lucratividade da marca.

    A Volkswagen, principal marca do grupo que também leva seu nome, não alcançou sua meta de margem operacional em 2018, informou a revista "Spiegel". Segundo a publicação, os lucros operacionais diminuíram, apesar do crescimento das receitas de primeira linha na montadora alemã.

    A margem operacional da marca caiu de 4,1% para 3,8%, segundo a revista, abaixo da meta de 4% a 5% estabelecida pelo presidente-executivo do grupo, Herbert Diess, que quer aumentar o índice para 6% no médio prazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao contrário do apregoado aqui sobre a lucratividade da marca.

      A Volkswagen, principal marca do grupo que também leva seu nome, não alcançou sua meta de margem operacional em 2018


      Analfabeto funcional detecte. BUUUM!!!!!!!!!!!! Levou BOMMBAAAAAAA!!!!!

      Em meu comentário aqui eu me referi à rentabilidade operacional do Grupo VW, e não da marca núcleo.

      BUUMMM! Não sabe ler, não relincha.

      Se não queres relinchar sobre finanças do VW Group, tens que buscar a informação na fonte VW Group, na página de relação com investidores, onde eles publicam os balanços já auditados e informados às bolsas de valores.

      Revenues of € 235.8 billion surpass € 6.3 billion in the previous year - Operating profit before special items of € 17.1 billion (€ 17.0 billion) at previous year's level - Deliveries to customers in 2019 expected to be slightly higher than the previous year

      https://www.volkswagenag.com/de/InvestorRelations.html

      Excluir
    2. Lucro operacional VW em 2018: 17,1 bilhões de Euros.
      Receita sobre vendas: 235,8 bilhões
      Rentabilidade operacional: 17,1/235,8 = 7,3%.

      Excluir
    3. Olha, ela sabe fazer conta de porcentagem, pena que não sabe escrever.

      Excluir
  10. O banco do motorista está desalinhado em relação ao volante ou é impressão minha ?

    ResponderExcluir
  11. O Grupo VW apurou resultados financeiros amenos em 2018 com crescimento leve do lucro e do faturamento, embora os ganhos sejam favoráveis. Em comunicado, a companhia informa que o lucro líquido aumentou 6% com relação ao ano anterior, para € 4,62 bilhões, enquanto o faturamento subiu 2,7% no comparativo anual, para € 235,8 bilhões. Com isso, o CEO do Grupo Volkswagen, Herbert Diess, alertou investidores sobre um ano difícil à frente.

    http://www.automotivebusiness.com.br/noticia/28785/grupo-vw-tem-crescimento-leve-do-lucro-e-do-faturamento

    ResponderExcluir
  12. A VW calibrou os preços mirando no HRV que já tem preço elevado em relação aos concorrentes.
    A expectativa era da continuação da estratégia de preços agressivos como ocorreu no lançamento do Polo, mas não rolou.

    ResponderExcluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.