Car.blog.br

Pesquisar este blog

GM Classic Automático 2005: fotos, consumo e desempenho

Categorias: , , , 11 Comentários

O mercado brasileiro hoje vive uma febre por carros de transmissão automática, que está levando os fabricantes a adotar esse tipo de transmissão em modelos cada vez mais acessíveis, como o Toyota Etios X 1.3 Automático. Entretanto, a aposta em compactos automáticos não é nova: há mais de dez anos, no começo de 2005, a Chevrolet colocou no mercado uma versão do Classic, seu sedã de acesso, equipado com câmbio automático - recurso que antes era exclusivo de modelos luxuosos - de olho na então crescente procura por esse tipo de transmissão.

Chevrolet Classic 2005 Automático

O Chevrolet Corsa Classic automático chegava para ser o modelo automático mais barato do mercado, precificado em R$ 36.829 reais, desbancando o Honda Fit, que, até então, era o modelo sem pedal de embreagem mais acessível, a R$ 45.545 reais. O Corsa Classic Automático, porém, chegava a R$ 45 mil na versão topo de gama, Super, com todos os opcionais.

Chevrolet Classic 2005 Automático - interior

O Classic Automático era oferecido apenas com motor quatro cilindros VHC 1.6L de 92 cavalos, que, associado ao câmbio automático de quatro marchas, conseguia acelerar o compacto de 0 a 100 km/h em 12,9 segundos (teste do Folha/Mauá) - 2,3 segundos mais lento que os 10,6 s do mesmo modelo com transmissão manual.

Chevrolet Classic 2005 Automático

As retomadas eram mais lentas também. De 40 km/h a 120 km/h levava 18,4s no automático, contra 15,4s do manual. De 60 km/h e 100 km/h, o modelo com câmbio automático leva 8,6s.

Chevrolet Classic Automático - câmbio de quatro marchas

O consumo de gasolina era de de 7,9 km/l em cidade, melhorando para 14,4 km/l em estrada. O mesmo modelo com câmbio manual fazia 10,2 km/l no trecho urbano e 16,1 km/l no rodoviário, evidenciando que a adoção do câmbio automático piorava o consumo em 22,5% em cidade, e 12,5% em estrada.

Chevrolet Classic 2005 Automático

Entretanto, o maior consumo e o menor desempenho compensava, já que não ter que acionar a embreagem e trocar de marchas já era um privilégio cada vez mais desejado no trânsito das grandes cidades brasileiras. Hoje é mais que privilégio: está se tornando item essencial.

Versões

O Chevrolet Classic Automático era vendido em duas versões - Spirit e Super. Na versão Spirit ele custava R$ 36.829 reais e vinha com direção hidráulica, enquanto o Classic Automático Super ficava em R$ 42.494 reais, mas já vinha com ar-condicionado e direção hidráulica também de série.

Chevrolet Classic 2005 Automático

Para efeito de comparação, um Classic 1.6 Spirit com câmbio manual com ar-condicionado, direção hidráulica e airbag duplo era vendida a R$ 35.079 reais, enquanto o Super com câmbio automático completo chegava a mais de R$ 47 mil reais, indicado que o câmbio automático custava caro.

11 comentários:

  1. em 2006 minha mae pagou 33mil pelo classic life VHC completo igual esse prata da foto e vendeu por 17mil em 2010

    ResponderExcluir
  2. Atualizando o valor desse corsa super (automatico + AC + DH + trio) pelo IPCA no período, chegamos a bagatela de R$ 80.546,32 em valores atuais. Quem fala que "hoje em dia" carro está muito caro, precisa aprender a fazer contas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade verdadeira.
      O que achei mais absurdo é que esse Classic "equiparado" ao Etios atual teria que ter todos os opcionais: ar-condicionado, duplo airbag, freios ABS. E com isso o preço dele iria para R$ 47k, mesmo preço que a Toyota cobra, 11 anos depois, pelo Etios Automático com os mesmos equipamentos.
      E vamos falar sério. O Etios é 1 milhão de vezes mais carro que o Classic.

      Excluir
    2. Mas Carlota,não é você que diz que o governo PT acabou com o Brasil?
      Carros inflacionados nos anos 90 tiveram os preços contidos e por um tempo chegaram até a ser subsidiados pelo governo, com o IPI zero e descontos em outros impostos, exigência que as montadoras reduzissem as margens de lucro exorbitqntes, ampla linha de financiamento bancário e por aí vai (isso se aplica aos imóveis também).
      Não defendo governo que rouba, mas ao menos os pobres receberam o direito de ter um bem e diminuiu o abismo entre a classe baixa e a média.

      Excluir
    3. Os fatos devem ser bem analisados pois, não a nada a agradecer aos ptralhas, como que um trabalhador precisa de mais de 60 salario mínimo para comprar um carro popular a nivel de um etios?
      Na Austrália gasta-se 7 ou 8 meses, não tao distante na argrntinas gasta-se 27 a 30 meses.

      Excluir
    4. Aí vc está sendo radical como a maioria dos que não enxergam mais que um palmo a sua frente.
      Muitas coisa boas foram feitas e muitas péssimas tbm. O que deve der feito é analisar prós e contras e fazer uma boa escolha da próxima vez, ao invés de só enxergar problemas simplesmente pq o momento é ruim. É tirar proveito da situação, exatamente o que os políticos corruptos estão fazendo, os mesmos que mamaram nas tetas dos PTralhas todo esse tempo e agora estão fingindo que são honestos.

      Excluir
  3. Uma analise mais profunda acaba com qualquer argumento anti-petista. Mas como as revistas e jornais nao fazem essa analise quem vive de ler esses veiculos tb nunca fará.

    ResponderExcluir
  4. A verdade eh q todo o avanço que o PT realizou foi com políticas insustentáveis e nesse momento estamos voltando aos moldes econômicos que distancia a nobreza do proletariado como anos 90. Uma pena.

    ResponderExcluir
  5. Minha mãe teve um e vendeu em 2012 com 9 mil KM.... carrinho honesto para a época.

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho um é file, claro que os Toyota são melhores, mas o câmbio do corsa é do mesmo fornecedor da Toyota Ainsin w por isso é muito bom

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho um desses ano 2003, comprei ele com 45000kms rodados em 2012 e hj ele está com 66000kms. Realmente na cidade bebe bem, mas na estrada economiza bastante.

    ResponderExcluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.