Car.blog.br

Pesquisar este blog

Audi A3 Sedan 1.4 Flex: mais confortável, potente e robusto

Categorias: , 40 Comentários

A Audi do Brasil lança oficialmente o A3 Sedan brasileiro - veículo que chega ao mercado com características técnicas adequadas ao perfil das vias e dos consumidores brasileiros, ficando mais macio e adotando soluções mais robustas de suspensão e transmissão.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

O Audi A3 Sedan nacional ganha motor 1.4 TFSI Flex, de 150 cavalos, nova transmissão automática de seis marchas TipTronic (em substituição à automatizada TipTronic) e suspensão traseira semi-independente, mais elevada e mais macia, no lugar da multibraço adotada no importado.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Essas alterações valem para o modelo 1.4 TFSI Flex, já que a versão topo de linha, Ambition, com motor 2.0 monocombustível, manterá o câmbio S-Tronic e a suspensão independente.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

O Audi A3 Sedan responde por 35% das vendas da Audi no Brasil, tendo emplacado mais de 7.800 unidades desde que começou a ser vendido no mercado doméstico em janeiro de 2014, inicialmente apenas com motor 1.8, e, depois, com aceleração de vendas em função da oferta de opções 1.4 mais acessíveis. Com a produção nacional a expectativa é de aumento de participação.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Outra novidade do A3 Sedan nacional é uma lista de opcionais mais robusta, contemplando itens antes inexistentes no modelo, como sistema de estacionamento automático, frenagem autônoma de emergência e piloto automático adaptativo e assistente de manutenção em faixa (que faz ajustes automáticos no volante para manter o carro na pista de rolamento).

Audi A3 Sedan 2016 Flex

São itens oferecidos como opcionais na versão Ambiente, intermediária, que sai a R$ 110 mil reais (sem opcionais), mas que chega a R$ 155 mil com todos os itens.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Já em termos estéticos não há alterações, exceto pelo logotipo Flex abaixo do emblema do motor, e do aumento da altura de rodagem - que teve como efeito o aumento no coeficiente de penetração aerodinâmico, que subiu de 0,29 para 0,30.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

O interior mantém-se inalterado, sendo a único detalhe que denuncia se tratar de uma versão nacional a ausência do emblema TipTronic na manopla de transmissão.

Audi A3 Sedan 2016 Flex
Sistema MMI com navegação - Opcional
O excelente acabamento do importado permanece no nacional, com painel revestido de material macio, bancos em couro sintético, mas o ar-condicionado de comando manual destoa de um carro dessa categoria. Entretanto, o freio de mão de acionamento eletro-hidráulico - item negado no Golf - permanece.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Quem quiser itens como ar-condicionado automático de duas zonas de climatização, bancos com ajuste elétrico, seletores de modo de condução e retrovisor eletrocrômico terá que esperar pela versão Ambition 2.0, que chega depois.

Desempenho e consumo

O Audi A3 1.4 TFSI Flex 2016 ganhou motor mais potente, passando de 122 cv de 5.000 a 6.000 rpm a 150 cv entre 4.500 e 5.500 rpm, quando abastecido com etanol. O torque máximo subiu de 20,4 m.kgf entre 1.400 e 4.000 rpm para 25,5 m.kgf de 1.500 a 4.000 rpm.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Com isso, o A3 acelera de 0 a 100 Km/h em 8,8 segundos (0,6 s mais rápido que o importado), e a velocidade máxima subiu de 212 Km/h no importado, para 215 Km/h no nacional. Os dados de consumo, segundo o INMETRO, são os seguintes:

Ciclo urbano (cidade): 7,8 Km/l (Etanol) / 11.,7 Km/l (Gasolina)
Ciclo rodoviário (estrada): 9,9 Km/l / 14,2 Km/l (Gasolina)

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Câmbio Automático AISIN TipTronic 6 marchas

Esses dados mostram que a troca da caixa de dupla embreagem S-Tronic pela automática convencional AISIN, importada do México, não teve impacto na performance, em decorrência no aumento da potência do motor.

Audi A3 Sedan 2016 Flex
Transmissão Automática TipTronic de 6 marchas 
Segundo a Audi, a alteração na transmissão proporciona maior suavidade nas saídas em uso urbano, já que o conversor de torque deixa o carro mais ágil em baixas rotações, quando o turbo ainda não encheu.

Audi A3 Sedan 2016 Flex
Audi A3 Sedan - espaço traseiro
Suspensão mais macia e confortável

Já com relação à suspensão, a Audi adotou no modelo nacional o mesmo esquema dos Audi e Golf Diesel vendidos na Europa, que é a suspensão traseira semi-independente. Trata-se de uma alteração que busca adequação ao perfil do Audi 1.4, já que o eixo de torção é mais robusto e de manutenção muito mais barata, já que não exige alinhamento traseiro.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Como resultado das alterações, o Audi A3 Sedan 1.4 Flex nacional ficou mais suave, com respostas de acelerador mais progressivas e lineares.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Já a suspensão mais elevada e macia ampliou o conforto de rodar, fazendo com que o A3 nacional filtre de forma mais competente as irregularidades das vias.

Audi A3 Sedan 2016 Flex

Some-se a isso os novos opcionais, como piloto automático adaptativo, frenagem autônoma, park assist e lane assist, assim como o motor flex e a transmissão mais suave, e temos um carro bem mais adequado à realidade brasileira, tanto termos de preferência de consumidor quanto de adequação às vias.

Conclusão

Audi A3 Sedan 2016 Flex

O Audi A3 1,4 Flex nacional é um carro melhor para rodar no Brasil que o europeu. Mais confortável, mais macio, de manutenção mais barata, e mais robusto.

Tabela de preços

A3 Sedan 1.4 TFSI Flex versão Attractive: R$ 99.990

A3 Sedan 1.4 TFSI Flex versão Ambiente: R$ 109.990

Pacotes de opcionais:

MMI Plus: R$ 13 mil

Design: R$ 13 mil

Assistance: R$ 10 mil

Assistance Plus: 18 mil

Fichas Técnicas

Audi A3 Sedan Attraction

Motor: 1.4 Turbo FSI Flex

Tipo: 4 cilindros em linha, transversal

Cilindrada: 1.395 cm³

Potência máxima: 150 cv* entre 4.500 e 5.500 rpm

Torque máximo: 250 Nm* entre 1.500 e 5.500 rpm

Tração: dianteira

Transmissão: Tiptronic, 6 velocidades

Peso: 1.240 kg

Comprimento: 4.456 mm

Largura: 1.796 mm

Altura: 1.416 mm

Distância entre eixos: 2.637 mm

Porta-malas: 425 l

Tanque de combustível: 50 l

Rodas: 16” 7J

Pneus: 205/55 R16

Desempenho

Aceleração: 0-100 km/h: 8,8 s

Velocidade máxima: 215 km/h

*Tanto com gasolina como com etanol


Audi A3 Sedan Ambiente

Motor: 1.4 Turbo FSI Flex

Tipo: 4 cilindros em linha, transversal

Cilindrada: 1.395 cm³

Potência máxima: 150 cv* entre 4.500 e 5.500 rpm

Torque máximo: 250 Nm* entre 1.500 e 5.500 rpm

Tração: dianteira

Transmissão: Tiptronic, 6 velocidades

Peso: 1.240 kg

Comprimento: 4.456 mm

Largura: 1.796 mm

Altura: 1.416 mm

Distância entre eixos: 2.637 mm

Porta-malas: 425 l

Tanque de combustível: 50 l

Rodas: 17” 7,5J

Pneus: 225/45 R17

Desempenho

Aceleração: 0-100 km/h: 8,8 s

Velocidade máxima: 215 km/h

*Tanto com gasolina como com etanol

Postagens relacionadas:

40 comentários:

  1. Quanta incompetência pra uma empresa que tem pretensões de ser a maior do planeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentei sobre a troca da suspensão de multibraços por eixo de torção e apagaram meu comentário, é realmente eixo de torção é melhor que o multilink por isso que vou vender meu Civic ele faz curvas muito agarrado no chão isso pode aumentar o consumo de pneus, é só escrever algo que fale dos queridinhos do blog que eles não aceitam.

      Excluir
    2. Realmente não vale a pena. Sofreu um baita downgrade. Tem seguro e manutenção caríssimos. Muito mais negócio o Corolla. Por isso que ele vende igual água. Do contrário, melhor ir de Mercedes ou BMW.

      Excluir
  2. Baboseira! A3 com eixo de torção e AT6 é melhor? Se esta afirmação está correta, então por quê o 2.0 virá com multibraços e DSG? Será que o consumidor que optar pelo DSG 2.0 é burro então? Parem de falar besteira! Há algum tempo atrás, quando ninguém sabia do AT6 no Golf, todos neste blog defendiam o DSG como superior, ruídos imperceptíveis, rápido, confiável, última palavra em tecnologia. Agora a história mudou? O DSG virou um câmbio ruim? Quanta lamera!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O DSG da versao 2.0 e banhada a oleo como no Jetta TSi, evitando assim ruidos e eventualmente superaquecimentos indesejaveis..ja a versao 1.4 sempre usou o DSG a seco, tendo relatos de ruidos, mas nao de superaquecimento como nos powershifts da vida.
      Quanto a suspensao multilink acho que nao foi uma boa ideia troca-la por eixo de torcao, mas pelo menos esta mais macia e resistente.

      Excluir
    2. Mais macia pra quem? Pro passageiro traseiro que nao eh...

      Excluir
    3. Isso tudo é muito esquisito na minha opinião...

      Tenho um Golf com DSG e já tive muitos carros com câmbio automático...
      É MUITO perceptível que os câmbios automáticos seguram muito o desempenho dos carros (salvo câmbio da BMW que nunca tive oportunidade de dirigir mas todo mundo diz ser muito rápido), e agora todas as matérias que saem sobre os carros que tinham DSG dizem que com o automático ele ficará mais veloz no 0 a 100....
      até que ponto isso é verdade e até que ponto são matérias compradas?

      o meu DSG surpreende de verdade na velocidade nas trocas de marcha, e não creio que os 10 cv à mais que os carros estão ganhando virando flex muda algo relevante...

      Excluir
    4. Luiz, são 10cv no caso do Golf..... já no A3 o ganho será de 28cv
      Resumo da ópera, alteração no meu ponto de vista positiva no A3 e negativa no Golf.

      Excluir
  3. Ao invés de pagar 99 mil no A3 nacional, prefiro pagar 94 mil no A3 importado, que além de mais barato, tem câmbio DSG, suspensão multilink e já vem com volante multifuncional.

    Quanto a versão de 109 mil do A3, prefiro pagar 109 mil no BMW 120i com motor, 2.0 Turbo Flex de 184cv, tração traseira e câmbio ZF de 8 marchas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, mas fora os 184cv e o câmbio ZF vc já viu que essa BMW vem tão peladinha quanto o A3 de entrada??????

      O preço dela tb deveria deveria ficar em no máximo 99mil....

      Excluir
    2. Mas BMW é um autêntico premium.
      Somente o 2.0T de 184cv e ZF8 de tração RWD dá um banho de desempenho no 1.4 TFSI AT6.

      Esse A3 no máximo se enquadra no nível de aspirante ...

      Excluir
  4. A3 tupiniquim vai concorrer junto com o Jetta no segmento de médios.
    Se a versão importada não justificava o status de premium, é agora com essa versão "pé-de-boi" que vai cair no ordinário.

    ResponderExcluir
  5. Se com essa porqueira de tiptronic o A3 acelera em 8.8s, imagina se ele tivesse um DSG. O grande problema que é vocês comparam laranja com limão: Tenham mais bom senso e começem a comparar laranja com laranja e não criarem estes comparativos tendenciosos que estão enfiando guela abaixo aqui no blog. Comparem o carro com o motor de 150cv acoplado ao tiptronic e comparem os 150 cv ao DSG e veremos qual se sai melhor.

    ResponderExcluir
  6. Grupo VW fazendo downgrade em Audi A3 e nos Golfs brasileiros, jamais pegaria esse carro.... Tinha tudo para vender bem, abaixando o preço e deixando o carro idêntico com modelo alemão, mas preferiu fazer essa sacanagem.........

    ResponderExcluir
  7. é impressionante o numero de vezes que as palavras "robusto" e "confiavel" aparecem no texto da matéria.
    Não tenho nada contra nenhuma marca, mas esse carblog apela demais nas postagens. Sou proprietario de um golf tsi alemão e acho puta de uma sacanagem a VW depenar o carro e aumentar o preço ao mesmo tempo.
    Isso deveria ser proibido. Mas aqui no Brasil eles fazem o que bem entendem...
    Ao grupo VW, boa sorte em justificar os preços dos carros depenados que estão vendendo por aqui, enquano isso a MB nada a braçadas com o class C e a acredito que o série 1 vai arrebentar com esse facelift, deixou o carro bem mais bonito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe o que é pior? É que vai vender.
      A Audi tem, de longe, as melhores condições de compra, comparado com MB e BMW.
      A maioria das pessoas que quer apenas mostrar aos outros que tem cacife para um carro alemão vai sem dúvida de A3, já que é o mais barato da turma.
      Diria que com os atuais preços e concorrentes, 50% de chance de deslanchar e os outros 50% de continuar como esta e ver os concorrentes indo muito bem.

      Excluir
    2. Pior que é verdade.
      Não importa se o carro tem câmbio ultrapassado e suspensão de carroça, desde que as condições de venda sejam melhores do que a dos outros.
      Para a maioria oq importa é mostrar para o vizinho q comprou um Audi.

      Excluir
  8. é impressionante o numero de vezes que as palavras "robusto" e "confiavel" aparecem no texto da matéria.
    Não tenho nada contra nenhuma marca, mas esse carblog apela demais nas postagens. Sou proprietario de um golf tsi alemão e acho puta de uma sacanagem a VW depenar o carro e aumentar o preço ao mesmo tempo.
    Isso deveria ser proibido. Mas aqui no Brasil eles fazem o que bem entendem...
    Ao grupo VW, boa sorte em justificar os preços dos carros depenados que estão vendendo por aqui, enquano isso a MB nada a braçadas com o class C e a acredito que o série 1 vai arrebentar com esse facelift, deixou o carro bem mais bonito.

    ResponderExcluir
  9. Viram aquela foto do espaço no banco traseiro?? Puxaram os bancos dianteiros ao máximo pra frente, para tirarem a foto.... até um minicooper fica espaçoso dessa forma. O A3 é mais apertado que um Fiesta!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode crer. Tenho um e o espaço atrás é complicado.

      Excluir
  10. Dispenso esse A3 simplificado. A3 importado é superior em tudo, pois esses resultados de desempenho são facilmente superados com pequenas modificações.

    O 0 a100 com DSG é emocionante, não discordo que o Tiptronic seja bom, mas é infinitamente inferior ao DSG, prefiro inclusive a versão manual de 6 velocidades .

    ResponderExcluir
  11. Estou vendo que o Civic 1.5 turbo vai ser a escolha nacional, tecnologia japonesa sem retrocesso vai botar Corolla no chinelo e esse A3 pé de boi.
    Diminuir tecnologia (downgrade) e subir preço é bem coisa de mercado nacional mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza. O esse Civic será o carro. Entrará perfeitamente na cesta de compra do perfil dos compradores do Golf alemão.

      Excluir
    2. Todos sabem que o campeão de CustoXEquipamentosXTecnlogia do mercado nacional, na categoria de sedãs médios é o C4 Lounge, o porém dele é que a Citroen se manchou no Brasil, e seus carros ganharam fama ruim (alias, francês tem fama ruim).

      Porém creio que quando Cruze 1.4T AT/DCT e Civic 1.5T CVT vierem o mercado nacional só vai continuar de Corolla se quiser.
      Alias, creio que motor turbo para o Corolla só em uma futura nova geração, ou quem sabe com muito boa vontade da Toyota venha nessa geração ainda.

      Excluir
  12. Não sei o que esse carro tem de premium, por esse preço sou muito mais um sedã de marca generalista em versão top de linha, como c4, jetta, focus. Há modelos premium muito mais vantajosos como série 1, volvo v40 e classe C. Até um sede grande é muito mais interessante.

    ResponderExcluir
  13. 133 mil reais no pacote intermediário vs 99 mil reais no focus top, sou muito mais o focus.

    ResponderExcluir
  14. Quer dizer então que A3 1.4 é adequado ao piso brasileiro e o A3 2.0 mexicano com DSG e multilink não? Ambos serão comercializados aqui pela Audi com garantia de fabrica. Faltou coerência ao CarBlog.

    ResponderExcluir
  15. só faltou um motor AP "mais robusto, confiável e de manutenção muito mais barata" !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cuidado que eles DAS ASSAULT vai usar
      e esse A3 ta mais para um SUV com essa folga do pneu na caixa de roda do paralama
      e então quem comprou o alemão esta ferrado , afinal não é um carro adequado ao Brasil
      hum
      hum
      só os caras aqui e os Petralhas
      Ahhamm

      Excluir
  16. Se esse espaço traseiro for verdadeiro, quem dirige é anão!

    ResponderExcluir
  17. Parece um big foot de tão alta que ficou essa suspensão traseira.

    ResponderExcluir
  18. Jajá aparece os lunáticos para afirmarem que foi um acerto da Audi adotar a suspensão e câmbio jurássicos, pois são mais robustos e confiáveis. Seguindo essa lógica do grupo DAS ASSAULT daqui uns 10 anos, a VW monta uma CSS de tanques de guerra por aqui.

    ResponderExcluir
  19. Não vou me alongar no debate sobre a utilização apelativa dos termos "robusto" e "confiável" para disfarçar as depenadas técnicas sofridas por Golf e Audi A3. Vou falar agora do porte do carro. É muito bonito e estiloso, mas é acanhado. Não é bem um sedan familiar. É um sedan de imagem. Na garagem da minha mãe tem um desses azul, importado (com DSG e multilink, como deve ser). Lindaço. Mas fica minúsculo ao lado do Cobalt. Endinheirados que queiram conciliar imagem e utilização devem olhar com mais atenção para o C180, que é bem maior e custa pouco a mais do que o A3 Sedan.

    ResponderExcluir
  20. Hoje levei o Golfão pra rodizio e alinhamento, a suspensão traseira direita estava desalinhada acusou graficamente o computador/laser; em um minuto o mecânico com chave soquete realinhou a bandeja do Multilink através de parafuso, brincadeira de criança. E vem gente especializada defender uso do eixo rígido em carros premium ou topo de linha. Menos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geralmente vc faz o rodízio/alinhamento com qts km? Tenho um a3 sedan com a "merda" do multilink kkkkk

      Excluir
    2. Cada 10-15 mil km ou num evento da substituição dum pneu, perdi o dianteiro num tachão, rasgou o Pirelli Cinturatto 91W.

      Excluir
  21. A bmw 320i nacional (não robusta, pois é exatamente igual à Alemã) manda belas lembranças!
    Rsrsrs

    ResponderExcluir
  22. Acho um retrocesso. Câmbio DSG é a atualidade e o futuro nos carros, visto que provém da Fórmula -1. Em nosso país tecnologia de ponta é sinônimo de problema.

    ResponderExcluir
  23. Favor desconsiderar o que dizem orelhas e leitores de ficha técnica. vamos ver o que falam os profissionais:

    http://carroscomcamanzi.com.br/audi-a3-sedan-1-4-tfsi-flex-ja-e-brasileiro/

    Mecânica à brasileira

    É aqui que o A3 Sedan flex começa a se diferenciar do original. Vamos começar pela suspensão, que foi mais bem adequada às nossas condições. A dianteira permanece igual, porém, é 14 milímetros mais alta. A maior modificação foi na traseira que perdeu o sistema independente com multibraços, para receber um tipo semi-independente com braços longitudinais, 15 milímetros mais alta e molas e amortecedores separados. Segundo a fábrica, para permitir uma progressividade maior do conjunto, principalmente com três ocupantes no banco traseiro e porta-malas cheio, evitando aquele baque seco de fim de curso em nossas “queridas” lombadas e buracos.

    Outra modificação foi no câmbio, onde substituíram o automatizado de dupla embreagem com sete marchas, pelo anterior Tiptronic automático de seis marchas. A razão da troca pode ter sido custo, o que é negado. Porém, dizem as más línguas, que foi por causa do barulho de metal batendo que os automatizados apresentam quando se anda devagar em pisos irregulares, que não agrada os clientes e que não foi resolvido. Tanto que até o VW Golf irá usá-lo.

    Se você acha que, pelo fato do “downgrade” que sofreu no câmbio e na suspensão, o A3 Flex saiu perdendo em relação ao importado, não é bem assim. Para começar, a suspensão mostrou-se mais amigável com o solo brasileiro, deixando-o mais macio, confortável e silencioso internamente. Quanto à estabilidade, vai ser preciso ir a uma pista e andar no limite para sentir as diferenças que a maior altura da suspensão e o eixo traseiro semi-independente fizeram. No chamado dia a dia, com as rodas de aro 17 e pneus de perfil baixo da versão Ambiente, não se percebe nenhuma diferença. O A3 Flex faz curvas com segurança, detalhe que é reforçado pela direção precisa e freios eficientes em qualquer piso. Sem falar da boa posição de dirigir, com todos os comandos à mão e o volante de diâmetro reduzido que tem uma pega muito boa.

    Já o câmbio faz o papel dele muito bem. Se as trocas não são tão rápidas como no de dupla embreagem (diminuindo bastante aquela sensação de esportividade), elas são suaves, colaborando no conforto e ajudando a baixar o estresse no trânsito congestionado. Ou seja, no uso diário não faz diferença. Para quem quiser uma tocada mais animada, ele ainda tem posição esportiva de trocas automáticas e engates sequenciais em aletas atrás do volante – somente na versão Ambiente – ou na alavanca de seleção.

    O motor é a cereja do bolo. Com 150 cavalos de potência e um torque máximo de 25,5 kgfm disponível de 1.500 a 4.000 RPM, com ambos os combustíveis, mostrou-se muito elástico, privilegiando o uso na cidade e incrementando o desempenho. O A3 Flex agora faz de 0 a 100 km/h em 8,8 segundos, meio segundo mais rápido, e chega aos 215 km/h. Apesar dessa disposição toda, equipado com sistema start/stop de série, também sabe ser comedido quando o assunto é consumo de combustível: no circuito meio cidade/meio estrada, chegou a 8,2 km/l de etanol e 11,5 com gasolina. Números muito bons considerando-se um carro com câmbio automático convencional.



    Enfim, ao contrário do que falam os orelhas, o A3 Sedan nacional ficou melhor que o importado.

    ResponderExcluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.