Car.blog.br

Pesquisar este blog

Novo Cruze 2017: preço parte de R$ 87,2 mil - Argentina

Categorias: , , , 44 Comentários

A Chevrolet promove o lançamento oficial da segunda geração do sedã médio Cruze na Argentina, modelo que passa a ser fabricado na fábrica de Santa Fe e já está à venda com preços a partir do equivalente a R$ 87.600 reais.


O modelo adota um motor 1.4 Turbo de 153 cavalos a 5.000 rpm e 245 Nm a 2.000 rpm, podendo estar associado a uma transmissão manual ou automática, de seis velocidades, conta com tração dianteira e sistema Start-Stop. A direção tem assistência elétrica, freios são à disco nas quatro rodas (sólidos na traseira), suspensão dianteira do tipo McPherson, e suspensão traseira semi-independente por eixo de torção.

Novo Chevrolet Cruze 2017 - interior - painel

Os preços na Argentina começam em R$ 84.267 reais para o modelo de acesso, 1.4 Turbo Manual, chegando a R$ 106 mil para o topo de gama, LTZ Plus Automática.

Novo Chevrolet Cruze 2017 - frente

Tabela de preços - Cruze 2017 (Argentina)

ModeloPreço PesoPreço Real
Cruze LT Manual$350.000,00R$ 87.267,70
Cruze LTZ Manual$375.000,00R$ 93.501,11
Cruze LTZ Automático$390.000,00R$ 97.241,15
Cruze LTZ Plus Automático$425.000,00R$ 105.967,92

Novo Cruze 2017

A nova geração do Chevrolet Cruze, fabricado na Argentina, é mais espaçoso, luz, eficiente e sofisticado, sendo equipado com novas tecnologias, incluindo OnStar e um novo equipamento de segurança ativa, bem como um interior mais espaçoso e um design aerodinâmico otimizado com linhas sofisticadas.

Novo Chevrolet Cruze 2017

Este novo sedan de 4 portas será vendido com um motor 1.4L turbo que entrega 153 cv a 5000 RPM, podendo estar acoplado a uma transmissão manual ou automática de 6 velocidades. Este carro tem uma estrutura mais fina que contribui para a redução de até 113 kg de peso total, o que melhora a velocidade e eficiência; juntamente com um perfil traseiro com maior queda e um spoiler integral que contribui para a eficiência aerodinâmica. O novo Cruze pode acelerar de 0 a 100 em 8,5 segundos.

Novo Chevrolet Cruze 2017 - motor 1.4 Ecotec Turbo

Ele estará disponível em 3 níveis de acabamento: LT, LTZ com transmissão manual e automática, e uma versão topo de gama, LTZ Plus, apenas transmissão automática.

Design otimizado em túnel de vento

O novo Cruze é 6,8 cm maior o anterior, mas 2,5 cm mais baixo. o que dá uma aparência mais estendida e fina. O perfil elegante é complementado com o trabalho de linha detalhada em camadas sobre os painéis do capô e laterais, contribuindo para uma impressão geral de maior musculatura, dando uma aparência atlética melhorada por uma distância entre eixos que é de 2,7 metros.

Novo Chevrolet Cruze 2017 - sensor de ponto cego

Outros detalhes de design do Novo Cruze incluem faróis de halogêneo e luzes diurnas com tecnologia LED, terceira luz de freio montado na parte superior da linha de teto, para uma aparência mais refinada.


Dotado de maior amplitude e maior tecnologia, o interior do New Cruze apresenta superfícies macias e robustas construída em torno do conceito de duplo cockpit. Os materiais adotados no interior são mais suaves, e os bancos contam com opção de revestimento em couro sintético.

Novo Cruze 2017 - interior - painel de porta

Assentos com ajuste manual em quatro direções para o motorista, e em suas direções para o passageiro. Os assentos traseiros dobram em 60/40.

Novo GM Cruze 2017 - painel

O volante revestido em couro multifuncional destaca a interação entre o homem e a tecnologia por meio de botões que interagem com o novo sistema MyLink - o qual permite uma interação mais simples e intuitiva com a nova geração de smartphones. Há versões com tela de 7 e 8 polegadas, mo modelo topo de gama.

Motor Turbo

O New Cruze possui um motor 1.4L turbo motor a gasolina com injeção direta e 16 v. DOHC que entrega 153 cv às 5000 rpm, com 245 Nm de torque a 2000 rpm, acoplado a uma caixa manual de 6 velocidades ou automática. injeção direta mecânica também oferece a tecnologia Start / Stop que contribui para a eficiência energética com que parada do motor quando o carro faz uma parada em determinadas condições de condução, como um semáforo. O motor reinicia automaticamente quando o motorista tira o pé do freio ou pressionar a embreagem.

Novo GM Cruze 2017 - painel

O 1.4L turbo é uma combinação ideal de eficiência e potência, e permite acelerar o Cruze de 0 a 100 Km/h em 8,5 segundos com a transmissão automática.


Segurança

A segurança é um dos atributos mais atraentes do novo Cruze, pois tem, entre outras características, freios a disco com ABS e distribuição eletrônica de frenagem em todas as quatro rodas, controle de estabilidade e tração, airbags frontais para o condutor e passageiro e airbags laterais montados nos assentos dianteiros, cintos de segurança de três pontos e encostos de cabeça em todos os bancos, ancora ISOFIX para cadeiras infantis.

Novo GM Cruze 2017 - espaço traseiro

Há ainda obstáculos para crianças nas portas traseiras, alerta de colocação do cinto de segurança para o condutor e passageiro, travamento automático de portas, alerta de pressão dos pneus (TPMS) e dianteiro e traseiro em todas as luzes versões nevoeiro.

Novo GM Cruze 2017 - espaço dianteiro

Da versão LTZ adiciona airbags de cortina laterais e sensores de estacionamento dianteiros. A versão LTZ Plus acrescenta tecnologia de segurança adicional:

a. Blind Spot Warning

b. Medição de distância ao veículo à frente

c. Alerta colisão frontal iminente

d. Assistente de manutenção em faixa

e. avançado sistema de assistência de estacionamento

Conforto e Sofisticação

Desde a versão LT, o novo Cruze oferece equipamento como o controle automático de temperatura, coluna de direção ajustável em altura e profundidade, computador de bordo, piloto automático, câmera de visão traseira e sensor de estacionamento traseiros e outros.

Novo Chevrolet Cruze 2017 - interior

As versões LTZ adicionam luz de cortesia traseira no interior e de dupla leitura, espelho retrovisor interno electro-crômico, sistema de acesso e partida sem chave, farol ajustável em altura, sensor de chuva, indicadores de direção incorporados nos retrovisores externos aquecidos e dobráveis e sistema de infotainment com GPS e reconhecimento de voz.

Novo GM Cruze 2017 - sistema MyLink 2

A versão LTZ Plus também oferece ajuste elétrico para os bancos do motorista e partida por controle remoto.

Ficha Técnica - Novo Cruze 2017

Chevrolet Cruze 2017LTLTZ
Motor / ChassisMTMTATPLUS
CombustívelGasolinaGasolinaGasolinaGasolina
Cilindrada (cm3)1399139913991399
Injeção de combistívelDIDIDIDI
Taxa de compressão10:110:110:110:1
Potencia Máxima (CV/rpm)153 @ 5000153 @ 5000153 @ 5000153 @ 5000
Torque Máximo (Nm/rpm)245 @ 2000245 @ 2000245 @ 2000245 @ 2000
N° de Cilindros / Válvulas4 / 164 / 164 / 164 / 16
Comando de válvulasDOHCDOHCDOHCDOHC
Direção elétricaEPSEPSEPSEPS
Suspensão dianteiraTipo Mc Pherson com braço intgerior unido a subframeTipo Mc Pherson com braço intgerior unido a subframeTipo Mc Pherson com braço intgerior unido a subframeTipo Mc Pherson com braço intgerior unido a subframe
Suspensão traseiraSuspensão semi- independiente, com eixo de torção soldado a 2 braços de controle, com molas helicoidais de elástica constanteSuspensão semi- independiente, com eixo de torção soldado a 2 braços de controle, com molas helicoidais de elástica constanteSuspensão semi- independiente, com eixo de torção soldado a 2 braços de controle, com molas helicoidais de elástica constanteSuspensão semi- independiente, com eixo de torção soldado a 2 braços de controle, com molas helicoidais de elástica constante
Freios dianteirosDisco VentiladoDisco VentiladoDisco VentiladoDisco Ventilado
Freios TraseirosDisco SólidoDisco SólidoDisco SólidoDisco Sólido
TransmissãoMTMTATAT

No Brasil - segundo semestre

No Brasil, a nova geração do sedã médio estreia no segundo semestre, com o motor ECOTEC Turbo com injeção direta de combustível e sistema Start/Stop.


Para o mercado brasileiro, o Novo Cruze terá configuração exclusiva.

Postagens relacionadas:

44 comentários:

  1. Para quem se preocupar...os preços em Argentina não são comparaveis com os preços no Brasil.
    Por exemplo...o HR-V da Honda, feito em Argentina é vendido no Brasil tem preço de:
    - 120.140 Reais na Argentina (EXL)
    - 99.200 Reais no Brasil

    Esse é só um exemplo.
    Os preços hoje em Argentina estão 20% acima do Brasil

    Pelo que o Cruze LTZ Plus deveria ficar na casa dos 90.000 Reais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai bombar, com certeza! Esse motor moderno, potente e econômico tem tudo para agradar no Brasil. O Civic novo terá um adversário à altura. Resta à Toyota fazer um upgrade no Corolla, pois como está não será páreo para esta nova dupla de sedãs!

      Excluir
    2. Ficou luxo mesmo, essa nova aparência estilo Malibu e novo interior, com certeza vai arrasar, pois esse sim é carro, diferente do corolla.

      Excluir
    3. Por esse cálculo, a versão LT manual sairia a R$ 70 mil. Difícil absorver isso, pois hoje a versão mais simplória do carro (que já é automática) sai a "módicos" R$ 81 mil. Acho que podemos aguardar preços iniciais entre R$ 80 e R$ 85 mil para a versão de entrada manual (se é que ela virá ao Brasil, já que o público desse carro vai direito ao automático). E, como isso, a versão LTZ Plus automática deve, de fato, superar a barreira dos R$ 100 mil. O que acham?

      Excluir
    4. Aos navegantes: E vendi o meu Cruze LTZ 14/15 com 10 mil km. Motivo:Carro bonito,mas o interior, apertado atrás. Pensei que com a nova versão 2017 viria com o assoalho reto, igual ao Corolla. Quem senta no meio do banco sofre.

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Preços muito competitivos.

    ótima suspensão traseira por eixo de torção, bem adequada à realidade do Brasil.

    ResponderExcluir
  3. E a versão LT automática não terá?

    ResponderExcluir
  4. Gostei no geral. Aqui poderá sem mais barato que estes preços da reportagem, visto que os Argentinos tem conseguido serem piores que a gente. E se for para comparar com os preços de Golf e Focus 1.6 aspirado, está muito interessante.

    ResponderExcluir
  5. Vai colocar todos os médios no bolso, até o novo civic.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A briga com o novo Civic vai ser boa!

      Excluir
    2. Em número de vendas, não. Corolla seguirá na liderança. Talvez Civic G10 possa incomodar.
      Em termos de performance Cruze ficará atrás do Civic 1.5T.
      Mesmo com torque maior não tem potência que sustente o sprint.
      O consumo ficará em pé de igualdade ...

      Excluir
    3. Concordo com o Charles..!!! O Corolla já conquistou seu espaço e grande parte dos brasileiros que podem ter carros dessa categoria..!!!

      Excluir
  6. Vai vir para fazer o rateio da sobra, pois acho que dificilmente quem tem Honda e Toyota mude para GM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei não... Se tiver bom preço o povo muda!

      Excluir
    2. Preço é importante, mas não determinante.
      GM vai ter que vir com valores competitivos, porque se pedir algo próximo aos japoneses vai brigar pelo 3º lugar apenas.
      GM não tem pós-venda que justifique a manutenção de preço do produto em nível aos japoneses ...

      Excluir
    3. Tbm acho....!!! Quem tem corolla e Civic não muda para a GM. Os japoneses dão banho em tudo...!!!

      Excluir
    4. Eu mudaria tranquilamente...

      Excluir
    5. Concordo com o Charles. O pós-venda dos japoneses é imbatível e um dos principais motivos das altas vendas de seus carros. Nenhuma outra montadora tem um pós-venda igual a Toyota e Honda.
      Outra questão importante é a durabilidade dos veículos da Honda e da Toyota, o que faz com que tenham a menor depreciação do mercado.
      Portanto, não basta ter um produto excelente, com tecnologia de ponta e superior e preço competitivo para roubar venda da dupla nipônica.

      Excluir
    6. Percepções individuais com os produtos muda de pessoa para pessoa, entendo a fama dos japas e a respeito. No entanto, parece que na virada da década de 90 os japas chegaram com produtos melhores frente a defasada indústria automotiva local e isso ficou na cabeça das pessoas, além da mecânica e reposição fácil das peças. A mesma foi vista nos EUA como sofrível no seu início. No geral, percebo que arrumar uma suspensão de um corolla aos 60 mil rodados é normal, mas de um VW ou GM é carro frágil e empresa porca, vejo isso acontecer recorrentemente entre familiares e amigos....Como falei, a minha experiência foi um pouco diferente..Tivemos um march e um sentra, os carros foram ótimos, vendidos por volta dos 50 mil rodados com zero problemas, no march um farol queimado e trocado na garantia...No caso da honda, um civic que deu falhas no motor e velas presas no cabeçote, barulho na suspensão e trocas antecipadas...Golf tsi, fiquei pouco tempo com o carro e apenas aquele barulho no dsg, por fim com um cruze sport, 20 mil rodados e uma troca de pastilha, carro continua normal e sem problemas....Enfim, tirando a gentileza e a limpeza gratuita dos carros Japoneses na troca de óleo e revisão, não vi grandes diferenças...Tenho uma familiar com cruze e corolla na mesma casa, ambos bem rodados, com os mesmo probleminhas...No meu caso, os carros mais duráveis os quais fui proprietário foram os da Nissan...A Honda foi a mais problemática, mas nada de grave...
      Escrevo apenas para contribuir com o debate, longe de querer cravar a verdade ou entrar nos debates desnecessários...Hoje, não teria um corolla pela falta de ESP anjinho da guarda que me tirou de aquaplanagem a 70k por hora em uma pista molhada....

      Excluir
    7. Cara. ...perfeito sua colocação. A mesma experiência comigo. ..Nissan só falta apostar mais no Brasil e trazer seu 1.6 turbo. ..

      Excluir
  7. Por tudo que tem sido veiculado pela imprensa especializada, este novo Cruze vai ser uma pedra no sapato do Corolla. Assim como o novo Civic, também. Não é só um rostinho bonito... Os novos motores, a suspensão bem acertada, a tecnologia embarcada e o belíssimo design prometem briga dura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Corolla tem um público muito bem resolvido e definido. Trata-se de um público que no Corolla um veículo que atende muito bem aos anseios e que independe destes lançamentos pirotécnicos.

      Excluir
  8. Acredito que a versão sport brigará pela ponta, mas a sedan terá vida dura, apesar do grande adendo do motor turbo em todas as versões atrair os motoristas mais entusiasmados com performasse, já que civic turbo, como noticiado, apenas na versão topo de linha...Ainda colocará pressão nas outras montadoras que não adotam turbo em todas as gamas......Porém, contudo, todavia, a grande maioria ainda mede motor a moda antiga (os aspirados), fora o medo do turbo para os mais conservadores...Motor 1.4 andar muito e ser econômico ainda mais turbo é coisa da Nasa....Tenho muitos amigos novos que pensam assim...Tive que mostrar videos sobre o novo golf 1.4...No final, isso não vai durar..hahaha

    ResponderExcluir
  9. Interessante que neste caso não aparecem os manés repetidores de orelhadas:
    "mimimimi eixo de torção"
    "mimimimi câmbio automático tip tronic"..

    Cadê os manés repeditores de orelhadas?

    ResponderExcluir
  10. Vamos ver se vem com tudo isso no Brasil....
    De cara, acho que tiram o ACC e assistentes de faixa e colisão.
    Aumentam uns 30 mil.
    E tá feito o pacote otário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vão tirar nada.
      O carro que vai ser produzido lá virá para cá.

      Excluir
  11. Achei ridiculo ser eixo de torçao. E tem outra a versao LTZ PLUS nao oferece farois full led ou pelo menos Xenon ? Lamentavel farois halogenos...

    ResponderExcluir
  12. Tomara que venha com um preço realmente próximo do atual, desta forma faz as outras pensarem no exagero que estão cometendo. A vw por exemplo que após incluir o motor turbo no jetta subiu R$14.000,00 o valor do carro. Lamentavel.

    ResponderExcluir
  13. Para que serve esse defletor de borracha embaixo do para-choque dianteiro?

    ResponderExcluir
  14. Eixo de torção trazeiro?De novo? Querem empurrar guela abaixo mesmo esse tipo de suspensão. VW Jetta e civic mandam um xero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei porque vocês exigem essa suspenção. A ruas brasileiras são pessimas e ela exige manuntenção.
      E ela na prática só faz diferença depois dos 190km.
      Você faz curva a essa velocidade ou pelo anda a essa velocidade?
      Abraço.

      Excluir
    2. Não sei porque vocês exigem essa suspensão

      Porque eles não entendem absolutamente nada de engenharia e não sabem nem diferenciar um carburador de uma servo-freio, quanto mais saber a diferença entre um multilink e semi-independente.
      Observe que 100% dos que "exigem" isso, só "exigem". Não são capazes de colocar 1 mísero argumento para sustentar sua posição. Eles simplesmente repetem, como papagaios, o que outros completo ignorantes em matéria de engenharia automotiva repetiram, e eles acham que serão considerados "experts" em engenharia automotiva ao dizer que não concorda com tal esquema de suspensão traseira. Ele nem sabe a diferença, nada.
      São manés, mais nada.

      Excluir
    3. O Carlos fala como se ele fosse um especialista em engenharia automotiva, com diploma devidamente registrado nos órgãos competentes! Outra coisa, comparar carburador (de que século o Carlos é hein?) com servo-freio é tão ridículo que nem deveria ter sido citado, afinal carburador se compara com sistema de injeção eletrônica, que são equipamentos de mesma categoria, como às suspensões multilink e semi-independente, e não com servo-freio! Portanto, qualquer desinformado consegue diferenciar um carburador de um servo-freio!

      Excluir
    4. Sou engenheiro mecânico da Bosch. Posso responder com clareza: Suspensão independente reduz peso, melhora o conforto em estrada irregulares, dá mais aderência ao eixo traseiro em curvas de altas velocidades e, o mais importante, também é segurança em relação ao eixo de torção - explico: o veículo fica mais estável em qualquer ondulação, possibilidade por conta das rodas trabalharem independentemente uma das outras. O Cruze me parece que vem com Z-Link, tipo Watts, que simula independência - apenas SIMULA, garantindo alguns desses princípios em situações do dia-dia.

      Excluir
    5. Sou engenheiro mecânico da Bosch. Posso responder com clareza: Suspensão independente reduz peso,

      Errado. A Suspensão semi-independente do Golf e do A3 é 11 Kg mais leve que a Multilink.

      melhora o conforto em estrada irregulares,

      Errado. Suspensão independente tem ajuste mais firme, e então leva a necessariamente maior desconforto em estradas irregulares.

      dá mais aderência ao eixo traseiro em curvas de altas velocidades e Efeito só efetivo acima de 200 Km/h.

      O Cruze me parece que vem com Z-Link, tipo Watts, que simula independência - apenas SIMULA, garantindo alguns desses princípios em situações do dia-dia.

      Errado. O Cruze argentino e o brasileiro vem com semi-independente por eixo de torção. O que usa Z-Link é só a versão Premier, vendida só nos EUA. E só ela. Mais nenhuma.

      Excluir
    6. Vamos aos esclarecimentos:

      1) existem apenas 2 tipos de suspensão: independente ou dependente.
      Não existe suspensão semi-independente.

      http://www.razaoautomovel.com/2011/12/autopedia-os-varios-tipos-de-suspensoes-2

      1.1) o vulgo "eixo de torção" é uma referência simplificada e grosseira da suspensão dependente do tipo barra de torção de articulação fixa.

      http://www.carrodegaragem.com/tipos-suspensao-carros-conheca/

      1.2) alguns definem o vulgo "eixo de torção" (pleonasmo vicioso, porque todo eixo sofre torção) como sendo uma suspensão "semi independente" em razão ao fato de a articulação fixa se favorecer das características resilientes do material da barra de torção.
      Para pequenas irregularidades as torções recebidas num lado são minimamente transmitidas para o outro.
      Já para o piso brasileiro, onde as irregularidades são maiores, a razão pela qual a suspensão por barra de torção necessita de um braço de alavanca relativamente longo é para compensar melhor as imperfeições. Porém, a altura livre do solo acaba obrigatoriamente sendo maior, o que pode prejudicar a dinâmica do veículo se comparado à mesma situação para o mesmo veículo dotado de multi-link.

      2) Qual suspensão é melhor?
      R.: depende da situação e aplicação.

      2.1) Para o piso brasileiro a suspensão de barra de torção é bastante aceitável porque associa robustez, simplicidade e baixo custo de manutenção.

      2.2) como a maioria de nossos veículos são de uso civil as vantagens de da suspensão traseira do tipo multilink são sub aproveitadas ou aplicadas de forma inadequada (realidade diferente daquela inicialmente projetada).
      Com uma proposta geralmente de uso em piso regular, a regulagem firme e a pequena altura de movimento acaba por onerar sua utilização em solo brasileiro e facilmente ouvimos relatos de amortecedores estourados antes do previsto, molas que perdem função elástica rapidamente, ou componentes da bandeja que se desgastam com poucos km.

      http://quatrorodas.abril.com.br/materia/quais-as-diferencas-entre-os-tipos-de-suspensao-independente

      2.3) o multilink se destaca em manter a banda eficiente do pneu em diversas condições de uso. E quando devidamente projetada e aplicada fornece nível de maciez sem igual.

      2.4) o fato de a suspensão por barra de torção ser do tipo dependente, mesmo que atenda razoavelmente a condição dinâmica do veículo não é preciso estar acima dos 200 km/h para se verificar outros aspectos deficientes desta suspensão.
      O Corolla, por exemplo, frenagens em velocidades superiores a 120 km/h se verifica certa instabilidade da traseira. A tal traseira solta.
      Porém, difícil ou raramente um motorista se deparará com esta situação.

      3) a articulação de Watts não simula independência numa suspensão.
      Sua principal função é reduzir o efeito da rolagem (perda de eficiência de contato dos pneus com o solo por razão aos efeitos torsionais).
      O que ele favorece é aumentar a rigidez torsional da suspensão nas direções ortogonais Tx e Ty.
      No caso um aumento da rigidez no eixo Tx favorece a aderência dos pneus pela manutenção do perfil da banda eficiente de contato com o solo.
      Já no eixo ortogonal Ty, favorece a estabilidade para a manutenção do traçado do veículo.

      Aqueles que assistiram à avaliação do Cruze Premier pela MotorTrend constatou que mesmo a suspensão de barra de torção dotada de articulação de Watt não possui o mesmo dinamismo do multilink do Civic X.

      Qualquer dúvida procure na internet que há bastantes fontes esclarecedores sobre os diversos tipos de suspensões ...

      Excluir
  15. Carlos, teu discurso com a suspensão so existiu quando a VW tirou do golf. Antes transbordava elogios. Tem nada haver esse lance de buraco bla bla bla aqui em casa teve civic 2010 NUNCA precisamos alinhar nada na trazeira, e conversa pra boi dormir. Golf continua sendo um otimo carro, mas foi uma perda sem tamanho.

    ResponderExcluir
  16. O grande trunfo desse carro em comparação com os carros mais modernos de hj é trazer motor turbo com injeção direta em todas as versões, diferentemente do golf e do futuro civic, e corolla nem se fala, pois nem tem previsão de motor turbo. Se vier com preço competitivo certamente irá alterar o cenário atual dessa categoria onde o corolla predomina soberanamente com motor aspirado e pelado perto desse novo cruze. Vamos aguardar a divulgação dos preços para podermos comemorar ou se decepcionar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando esses motores turbo começarem a dar defeitos e manutenção eu vou dar muita risada..!!! O gol turbo de anos atrás foi um mico...!!!
      É questão de tempo para avaliamos quem estará certo...!!! Toyota, GM, Honda, Volkswagen. Eu particularmente sou muito mais a robustez e confiabilidade dos motores 1.8 e 2.0 do que dos motores turbo..!!!
      O turbo faz o motor trabalhar no seu limite havendo certamente um maior desgaste.

      Excluir
  17. Carlos, tira uma dúvida, se possível. Você fala que a suspensão traseira de eixo de torção é mais adaptada para as buraqueiras das vias brasileiras. Agora, porque a Fiat Toro e a Duster Oroch que, em tese, são preparadas para estrada de terra (offroad), ou seja, para pegar mais buracos, lombadas etc, possuem suspensão multilink na traseira?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O motivo de Toro e Duster Oroch terem sistemas semi-independente na traseira é que elas têm versões 4x4. E não dá para colocar suspensão por eixo de torção na traseira com o cardã no meio. Então Fiat e Renault não querem gastar mais mantendo dois sistemas de suspensão para os carros. Fazem 1 só, e o marketing vende para os desavisados que a multilink "é muito melhor". e muitos acreditam e saem repetindo como papagaios.

      Excluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.