Car.blog.br

Pesquisar este blog

Audi: meta de vender 2 milhões de carros em 2020 mantida

Categorias: , , 1 Comentário

A Audi, subsidiária de carros premium da Volkswagen, mantém suas metas para 2020, quando projeta vender 2 milhões de unidades por ano, com grande incremento de sua linha de SUV's, os quais vem apresentado rápido crescimento de vendas.

Audi Q7 2016

A Audi vendeu 1,74 milhão de carros em 2014 e nos primeiros 10 meses de 2015 já registrou vendas de 1,5 milhão de unidades, o que faz parecer o objetivo de atingir 2 milhões em 2020 fácil. Entretanto, a empresa antecipa um cenário econômico global um pouco mais desafiador, com a subida de taxas de juros nos EUA, e um crescimento na China um pouco menos espetacular - "mais normal".

Nos EUA, a Audi já vendeu 165 mil veículos de luxo nos primeiros dez meses de 2015, o que representa um dos maiores avanços em termos de marcas de luxo. E o aspecto mais positivo é que é um crescimento extremamente lucrativo, visto que os descontos e incentivos oferecidos pela Audi são menores que os de suas concorrentes, BMW, Mercedes-Benz e Lexus.

As perspectivas futuras da Audi nos EUA também são positivas, pois houve uma grande investimento em grandes e luxuosas revendedoras no mercado norte-americano, e isso deve levar a crescimento de vendas graças também à expansão da gama de produtos.

Dieselgate

Em relação à controvérsia em torno das emissões de modelos diesel nos EUA, a Audi está cooperando com as autoridades, e está em contato estreito com proprietários e donos de frotas de Audi, os quais amam seus carros, adoram a performance e o nível de consumo, mas esses clientes querem que seus carros atendam as normas de emissão.

Futuro dos modelos diesel

Segundo a Audi, a Europa adota carros diesel. Hoje, quase 70% das vendas na Europa da empresa são de modelos com tal tipo de motorização. São modelos esportivos, tem excelente torque e altamente eficientes. Já nos EUA a história é diferente, pois os norte-americanos gostam do torque dos motores, mas os preços baixos de gasolina (nos EUA o diesel custa entre 10% e 15% mais que a gasolina) torna o diesel menos atrativo. Já no mercado chinês o governo está incentivando tecnologias híbridas de powertrain.

Audi não planeja vender Lamborghini, Ducati e Italdesign

Nos últimos dias tem surgido boatos de que a Audi poderia ser forçada a vender a Lamborghini, Ducati e Italdesign Giugiaro para cobrir custos com o escândalo de emissões.


Entretanto, o CEO da Audi informa que não vê qualquer razão para que a empresa tenha que vender qualquer subsidiária.

Market Share x Margens de Lucro

A Audi tem uma estratégia de lutar por boas margens de lucro, antes de elevada participação de mercado. Boas margens de lucro são decorrentes de uma boa estratégia de gerenciamento da marca.


Já volume de vendas vem de produtos corretos, bom design e boa tecnologia, que levam a um padrão de crescimento.

Foco em SUV

Segundo a Audi, o verdadeiro segmento premium começa acima de 50.000 euros e a empresa está preparando uma ofensiva nessa área, com novos A5, A6, A7 e A8. E ainda pretende lançar o Q8, seu SUV de porte mais elevado, o que deve levar a preços ainda mais elevados, trazendo novos consumidores de alto luxo para a marca.

Novo A4

A Audi considera que o novo A4 é um produto que cria um novo referencial no mercado. Ele traz recursos como virtual cockpit e sistemas de assistência à condução que ainda não estavam disponíveis nesse segmento. Assim, o novo A4 tende a ser muito competitivo na Europa, apesar que esse segmento de mercado vem apresentando crescimento mais lento em função do ganho dos SUVs.


Novo Audi A4 2016

O A4 tem também um grande potencial de crescimento nos EUA e China, onde os sedãs médios estão apresentando ainda crescimento.

Audi A3 Sedan

Audi A3 Sedan 2016

A Audi vendeu 104 mil Audi A3 Sedan nos EUA nos primeiros nove meses de 2015 - um número excepcional, em decorrência de vendas expressivas desse modelo para universitários. A Audi espera vendas globais ainda maiores com do A3, visto que o carro foi lançado recentemente na China.

Fonte: Auto News

Postagens relacionadas:

1 comentários:

  1. Creio que entrar na F1 leva as participantes a estar um passo à frente nas principais evoluções tecnológicas do automobilismo, que hoje são motores elétricos e híbridos. Creio que isso ajudaria ainda mais a imagem da Audi em nível mundial. A Mercedes-Benz que acertou...

    ResponderExcluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.