Car.blog.br

Pesquisar este blog

Novo Civic: preço e nível de produção não ameaçam Corolla

Categorias: , , , 39 Comentários

O Honda Civic de 10ª geração já começou a ser produzido em escala comercial na unidade fabril da empresa em Sumaré (SP), mesmo local de onde saiu o primeiro Civic nacional, em 1997.

Novo Honda Civic 2017

Segundo estimativas da Honda, depois da etapa de lançamento, a produção do Civic terá um volume de cerca de 3 mil unidades por mês, o que não será suficiente para tirar a liderança do Corolla, que, no primeiro semestre, vendeu, em média, 5,3 mil unidades mensais.

Novo Honda Civic 2017 EXL - painel

Todos os modelos da Honda atualmente são produzidos em Sumaré. A montadora tem uma fábrica pronta em Itirapina (SP), mas sua inauguração foi adiada por tempo indeterminado, já que a unidade de Sumaré tem condições de atender a atual demanda do mercado, podendo inclusive ampliar a produção, caso seja necessário, com um terceiro turno adicional e horas extras (não adotados no momento).

Novo Honda Civic 2017 EXL Prata

O Honda Civic de 10ª geração é 11,2 cm maior que o anterior, com 4,64 metros, e mais largo em 4,5 cm.

Novo Honda Civic 2017 - porta-malas de 532 litros

A distância entre-eixos cresceu 3 cm, para 2,71 metros, resultando em espaço interno maior e volume do porta-malas passando de 449 para 525 litros.

Novo Honda Civic 2017 - interior

Mesmo maior, o Civic 10 ficou 22 quilos mais leve. Os preços, porém, subiram consideravelmente: o modelo de entrada, Sport, agora parte de R$ 87,9 mil, 16,1% mais que o anterior, enquanto o topo de gama, Touring, a R$ 124,9 mil, encerra uma elevação de 32,7% sobre o modelo anterior.

Conclusão

O Honda Civic de 10ª geração tem credenciais para ser considerado o melhor sedã médio a venda no mercado brasileiro, mas seu nível de preço elevado tende a impedir que dispute a liderança de mercado com o Corolla.



O modelo da Toyota está sendo vendido a partir de R$ 68.000 reais na versão GLi básica automática com descontos. Isso é cerca de R$ 20 mil a menos que o Civic de entrada com câmbio manual, e estratosféricos R$ 27 mil mais barato que o Civic automático mais acessível - Sport 2.0 CVT a R$ 94.900 reais.

Postagens relacionadas:

39 comentários:

  1. Acredito que em um primeiro momento o quesito "novidade" alavancará as vendas, mas passados os primeiros meses duvido muito que venda mais do que 2.000 unidades mês...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou menos, neste quesito Audi é melhor opção



      ... kra a Honda nao esta nem ai,acha q ela quer ter trabalho?
      Ela quer e vender pouco e ganhar muito, rapelando as Costa dos fans
      Do Civic !!!!
      kkkkkk

      Excluir
    2. Até a chamada da notícia é tendenciosa.
      Se a Honda previu vender 3000/mÊs sendo que o líder vende 5000, qual é a razão pra achar que querem ameaçar alguém?
      E sinceramente,o Civic novo ficou bonito pacas! Principalmente a versão de entrada Sport, na cor preta.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Não se trata de um produto comum como Focus, Jetta, para seguir neste raciocínio.
      O mercado tem uma visão muito diferente dos jogadores de Super Trunfo deste fórum ...

      Excluir
    2. R$125.000 não aceita desaforo.

      Excluir
    3. Charles, você não acha que essa baixa produção pode gerar fila de espera ou, até mesmo ágio?

      Excluir
    4. Encalhar? Que encalhe aqui na porta de casa. Um Sport na cor preta.

      Excluir
  3. Apesar de não gostar de carros muito desenhados, achei esse carro do jiraya e jaspion bonitão...O problema é....A versão que acho superior ao cruze em termos de motor está fora da restrição orçamentária....A outra versão tem muitas qualidades, mas ai...prefiro o novo cruze ou jetta....Opinião...

    ResponderExcluir
  4. Não vão conseguir vender nem as 3 mil unidades que conseguem produzir mensalmente. É capaz de os compradores que estavam aguardando pelo lançamento do Civic ainda mudarem de ideia e comprarem o Corolla, alavancando a venda do Toyota.

    ResponderExcluir
  5. Certamente o intuito da Honda não é liderar o segmento, até porque os preços iniciais do Civic exclui uma fatia considerável do segmento.
    Cerca de 45% das vendas do Corolla são intocáveis pelos novos Cruze e Civic, pois parte de R$ 69k na versão GLi 1.8 e vão até R$ 84k.
    Em outras palavras, são cerca de 2.400~2.500 compradores mensais que excluiriam produtos de valor mais elevado.
    Outro aspecto a favor da Toyota é a fidelização e prestígio do produto Corolla.
    Civic perdeu muito de seu nome na G9. E terá que recrutar muitos de seus ex-clientes que certamente migraram para o Corolla. A vantagem nesta G10 é que o produto está num patamar acima do Corolla em diversos aspectos.
    Cruze é o menos prestigiado dos 3, mas chega com um bom produto e restabelecerá no pódio com tranquilidade.

    Como descreveu um jornalista da Car&Driver americana: "Cruze back to the game. Civic plays a higher game".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A fidelização e prestígio da Honda é tão grande quanto o da Toyota no Brasil, vide as vendas mensais do HR-V encostando nas do Corolla (com muito mais lucro para o SUV por unidade). Com o Civic X a Honda subiu o sarrafo, produto totalmente superior ao Corolla em TUDO. E brasileiro sabe como é, gosta de novidade e status igual ao da Toyota, e essa é a aposta da Honda, os atuais donos de Corolla XEI na próxima troca quando fizerem um test drive no novo Civic mudam de time. Simples mudança de grade frontal no facelift com VSC em 2017 do Corolla não evitarão o assédio do Civic X. A briga pela ponta só está começando, mas a médio prazo as coisas devem mudar como foi há pouco tempo atrás, a mudança de geração de uma marca atrai clientes de outra e vice-versa.

      Excluir
    2. O volume de venda do civic foi substituído pelo HR-V, a honda literalmente suspendeu o civic exr, reduziu as demais versões para produzir ele, agora civic+HR-V já somam mais que Corolla, ponto para a Honda, pois é exatamente o mesmo cliente do Corolla/civic/HR-V e ela com certeza nadando de braçada no lucro, só está tomando o prejuízo de ter montado uma fábrica inútil mas nas vendas só veem cifras.
      O Corolla está no topo da fama porém o facelift já vai ter que trazer melhorias sem cobrar por isso pois o preço já está mais que alto e tirando Corolla Toyota não tem nada para oferecer nesta faixa de preço.

      Excluir
    3. Público do Corolla tem algumas peculiaridades que divergem do HR-V.
      SUVinho é moda.
      Corolla é uma aquisição de perfil mais tradicional, conservadora.
      As expectativas é que o Civic retome alguns clientes perdidos. Irá incomodar o Corolla, sim, mas não chegará a liderar a ponta porque há versões mais competitivas do Corolla.
      No facelift a Toyota deverá aumentar os valores apenas das versões mais destacadas, mas manterá os bons argumentos das versões de entrada, GLi ...

      Excluir
    4. Japa SUV veio para ficar é moda mundial, o segmento que mais cresce. Quanto à retomada da ponta pelo Civic X nos médios prepare-se pois o Corolla GLI 1.8 CVT vai competir com o Honda City 1.8 CVT, aí tem briga.

      Excluir
  6. Respostas
    1. Cruze, Focus, Jetta, C4L, 408, Fluence, Elantra e Cerato

      Excluir
  7. Concordo com o blog, apesar do Civic ter ficado legal, o preço ficou surreal... Corolla segue nadando de braçada e se comparar custo x benefício, a briga vai ficar boa pela segunda posição entre Civic e Cruze. Demais players como C4, Sentra e Jetta vão seguir como meros espectadores desse segmento.

    ResponderExcluir
  8. Enquanto existir Corolla abaixo de 70 mil Reais a Toyota vai nadar de braçada, lembrando que a versão manual é vendida por pouco mais de 68 mil, com isso hoje se compra Onix, Fit...

    Eu acredito que esse Civic vai encalhar, pois nessa faixa de preços as pessoas querem câmbio automático, aquela versão de 88 mil vai ser pouco vendida, a versão mais interessante custa quase 100 mil Reais, eu por exemplo que comprava carros médios entre 60 a 80 mil não daria essa grana num automóvel mediano, ainda mais com motorização antiga, imagine pagar 125 mil por um Civic, melhor pegar uma BMW ou Audi.

    Eu acredito que chegamos no momento da não aceitação do consumidor por não ter condições de arcar com os valores pedidos, só os números ditarão o futuro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos falam que é melhor comprar BMW,AUDI e MERCEDES, mas esquecem o quanto é manter um carro desses, sério esse Civic de entrada tem tudo que preciso, são seis airbags, controle de estabilidade e tração, câmbio manual de seis marchas, bancos em tecidos, interior escuro, pra ficar perfeito só faltou o motor turbo e baixar esse preço em 10k, está aí o carro perfeito...

      Excluir
    2. Eu tenho, Joildo. É bem caro, viu!
      Enquanto Civic e Corola se mantém com os mesmos valores de um mil de entrada....

      Excluir
  9. Otimistas demais... Quase surreal... Acho difícil vender mais de 1,5 mil carros (o que já será ótimo, pelo preço do carro) Logo, dessas 3 mil unidades, metade vai encalhar... Podem exportar, presentear funcionários, sortear, enfim, mas acredito que não vende 3 mil nem com 10 mil de desconto...

    A Honda abandonou a disputa pela liderança... O lance dela é tentar que o HRV venda mais que o Corolla... Está ótimo assim... Civic agora é para quem curte design, gosta muito do carro ou tem grana para jogar fora...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, muitos dizem que os carros franceses desvalorizam muito e a mesma coisa vai acontecer com quem comprar esse Civic novo principalmente o Touring.
      Creio que em 1 ano já perca uns 20 mil na revenda.

      Excluir
  10. Os precos sao completamente fora da realidade mesmo, grande ponto negativo que reparei alem dos precos eh a central multimidia, um lixo, super lerda e interface muito mal trabalhada.

    ResponderExcluir
  11. É impressionante em um carro de mais de 80k não melhoraren essas dobradiças do porta malas! E pensar que Linea e Polo possuem as dobradiças pantográficas há muito tempo!
    No mais é um carro interessante mas está fora do meu perfil. Quanto ao preço, paga quem quer e quem gosta de novidade. Estamos voltando a época em que carro zero era investimento!

    ResponderExcluir
  12. A Honda me ajudou muuuuito na dúvida que eu tinha. Eu estava esperando pelo novo Civic com bastante empolgação até o dia em que ela divulgou oficialmente seus pacotes de modelos e preços. Aí eu fui na Audi e resolvi minha dúvida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre o pós-venda da Audi, veja o que a Quatro Rodas disse sobre o atendimento do A3 Sedan do teste de longa duração:

      "Rede Audi (...) faz uma revisão ágil, com trocas de peças em garantia e preço abaixo do sugerido pela marca".

      "O agendamento da revisão foi tranquilo, com escolha de dia e horário".

      O repórter da Quatro Rodas se impressionou com a tecnologia da casa "Audi". Veja o que ele disse:

      "O consultor colocou a chave do carro sobre uma base eletrônica conectada ao computador. No instante seguinte, um relatório com quilometragem, número de chassis e placa surgiu na tela. Ele explicou que esse sistema também detectaria uma eventual falha guardada na memória da central eletrônica".

      "A Audi passou a oferecer em seu site uma lista com preços sugeridos das revisões"

      "Em nossa verificação pós revisão, mais um ponto para a Audi: tudo havia sido feito a contentendo. O atendimento premium que se espera de um Audi, enfim, chegou."

      Portanto, boa sorte mesmo no pós, muito elogiado pela Quatro Rodas.

      E vamos falar a verdade. Esse mimimi de pós-venda é coisa de gente fresca.

      Vc anda seis meses com o carro, e passa 1 hora na concessionária. Que porra de tanta importância que dão a pós-venda? Frescura pura.
      Mas, para quem é fresco, tá aí, o pós venda da Audi impressionou a Quatro Rodas.

      Excluir
    2. O pós-venda, como o próprio nome nos intui, é a etapa que se inicia após aquisição de um produto ou serviço. (Definição de Engenharia).
      Não se resume apenas aos serviços realizados nas CSS.
      Pronto-atendimento, pontualidade, cumplicidade, receptividade, é um feijão com arroz que as japonesas realizam há 2 décadas e não há absolutamente nada o que elogiar.
      Ainda que esses itens sejam imediatistas, não podemos esquecer que, embora seja aspecto conceitual de um produto, a confiabilidade e garantia são aspectos que somente são vislumbrados suas tratativas no pós-venda.
      A fama de carro inquebrável, durável, não visita oficina, ainda que seja um tanto preconceituoso, é reflexo de investimentos coerentes baseados na organização, disciplina, para entender e atender as perspectivas dos diversos mercados mundiais.

      Achar que um atuar em alguns poucos quesitos de serviços das CSS refletem o pós-venda, bastará 1 ocorrência extraordinária (garantia) para derrubar tudo isso por terra.
      Pós-venda, meus caros, não se concretiza da noite para o dia ...

      Excluir
    3. Particularmente, eu não quero nem pensar em gastar 139.000,00 num carro (na verdade deu foi vontade de pular logo no A5 Sportback com preços pra lá de convidativos no modelo atual 2016) e ficar pensando num pós-venda-da-dor-de-cabeça! Eu quero aparecer na CSS para as revisões que me separam dos 365 dias em que pretendo ficar com o carro e fim.

      Não tenho nada a acrescentar no atendimento e respeito durante o processo de escolha na Audi, é espetacular. O nível de conhecimento técnico dos consultores é impressionante! Muuuuuuito diferente de quando eu fui na Honda conhecer o Civic e, na ausência de um modelo na CSS, o vendedor ficou tentando me empurrar um City - tão bom quanto e mais barato - afinal, é um Honda! (fora ter ficado me ligando por uns 3 meses pra 'fechar negócio'). Notícia do dia: a Honda não faz além da obrigação em prestar um serviço decente - no entanto, se escora nisso como sendo o bastião da qualidade. Pra eles, pelo visto, na ausência de um Civic na loja, leve uma CG 150, é tão boa quanto, afinal, é Honda. Vocês estão alimentando esse monstro. Depois não reclamem.

      Hoje a BMW me ligou aqui pra saber se eu havia me decidido. Uma ligação educada e respeitando o processo do cliente - sem persistir. Foram tão sutis que estou pensando em voltar lá. Mecanicamente é inferior ao concorrente, mas em estilo e conforto, me cativou.

      Excluir
    4. Se tiver que procurar um produto premium escolho cegamente a Mb, desde que não embarquem o DCT dry de alguns modelos de entrada. Os BMW a partir do 2.0T, que são referência em Confiabilidade e durabilidade, bem como o brutal 3.0 L6. A Audi ficaria como café com leite, pq em similar preço aos motores mais interessantes, sempre há um MB ou BMW mais interessante.

      Quanto ao pós-venda Honda e Toyota está para nascer no BR a empresa que as superem. Talvez na próxima década. Fato!

      Excluir
    5. O que é o DCT dry, Charles?

      Excluir
  13. Sem dúvida o novo Civic é um belo carro mas o preço desanima. Acredito que o Corolla nem vai precisar se mexer para continuar líder por um bom tempo.

    ResponderExcluir
  14. Corolla rulez... Estou curioso pra ver se com a versão com facelift e controles eletrônicos de tração e estabilidade a Toyota vai manter o modelo de entrada abaixo dos 70k. Se sim, a proporção de vendas mensais vai ser de 10 corollas pra 1 ( cruze, civic, jetta, sentra...)

    ResponderExcluir
  15. Motor fraco e gastao do civic. Honda só maquiou o carro. Entretanto a concorrência melhorou, e muito, mostrando carros realmente novos e modernos.
    O corolla é e será líder absoluto pois o city está léguas atraz da Toyota. Resta saber se o civic conseguirá segurar a segunda colocação ou a terceira dentre os sedans médios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário foi bem cretino, heim? Ainda mais indexando seu comparativo com essa carroça da Toyota (que não quebra porque é feita com as tecnologias mais velhas conhecidas pelo homem). Sabe o que é bom na Toyota? A linha Lexus.

      Excluir
    2. Civic beberrão? Comentário típico de quem sempre nunca andou em carros senão no de 3 pedais.
      Tenho 1 Vovorolla XEi 2011 e por um tempo estive com o Civic LXR de minha sogra.
      Civic é mais econômico. Mas se andar forte bebê muito, em ambos caso.
      Nenhum 2.0 AT ou CVT da concorrência consegue bater os números do Corolla e Civic 2.0.
      Desde meados de 2015 o Inmetro tem implementado alterações nos testes de consumo, principalmente na estrada.
      Dificilmente um 2.0 aspro adentrará a casa dos 13 km/l na estrada.
      Embora no uso comum supere facilmente os 15 km/l para muitos, e para aqueles que possuem uma condução agressiva esse número despenca como reflexo da negligência do motorista...

      Excluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.