Car.blog.br

Pesquisar este blog

Volkswagen: nova estratégia tem foco no pós venda - Brasil

Categorias: , 43 Comentários

A Volkswagen do Brasil vem passando por uma reformulação estrutural desde que o atual presidente - o sul-africano David Powels - assumiu, em janeiro de 2015. Em maio do ano passado o argentino Jorge Portugal assumiu a vice-presidência de Vendas e Marketing, e ambos desenvolveram a nova estratégia para a marca, que consiste em focar a marca nas pessoas. A nova campanha publicitária traduzirá isso: sai o "Volkswagen. Das Auto.", e entra" Volkswagen. Inspirada em sua vida."

Volkswagen do Brasil - pós-venda

Do limbo à liderança de mercado na África do Sul

David Powels não divulga metas, mas suas realizações falam por si: assumiu a Volkswagen na África do Sul no limbo e entregou-a na liderança, com 23% do mercado, 8% à frente da Toyota. E foi para lá que enviou uma série de executivos brasileiros para conhecer a transformação que operou na unidade africana.

Volkswagen Gol 2017

A mudança estratégia na VW do Brasil não altera os investimentos de R$ 10 bilhões até 2018 anunciados na gestão do presidente anterior, Thomas Schmall, em 2014. O objetivo é mudar a cultura corporativa e a imagem da marca - que ficará menos alemã, e mais próxima das pessoas. O convencimento do público se opera de dentro para fora: primeiro nos cerca de 20.000 funcionários, depois nas concessionárias, e por fim nos clientes.

Foco no pós-venda

O novo grupo dirigente da Volkswagen do Brasil identificou que a empresa ficou excessivamente focada na parte técnica dos carros, e deu menos atenção às necessidades das pessoas, especialmente no pós- venda.

Agora o foco é o de conquistar o cliente no longo prazo, para torná-lo fiel à marca e vender para o mesmo cliente até oito carros ao longo de sua vida. Para isso uma reformulação total na questão do pós-venda, com ganhos de qualidade serão feitos.

VW: mais baixos custos de uso

Outro ponto que a "nova" Volkswagen do Brasil enfatizará será no fato de que os modelos da marca são os de menor custo de utilização, desde a compra até a revenda. Isso não significa que serão os mais baratos no momento da compra (custos mais elevados fazem com que os carros da VW sejam mais caros de produzir, e, portanto, um pouco mais caros que os demais), mas a empresa pretende deixar claro que o custo de usar o carro VW é menor menor (menores custos de manutenção, seguro e combustível) e ainda terá maior valor de revenda.

Volkswagen Up! TSI - carro mais econômico do Brasil

Os executivos responsáveis pela mudança projetam um prazo de cinco a dez anos para que o processo de reconstrução da imagem da marca no Brasil seja completo, sendo que um dos objetivos é o de que a marca volte a ser a referência no mercado automotivo.

Conclusão

A Volkswagen do Brasil será daqui para frente uma marca mais emocional, mais próxima dos brasileiros, mais ágil, mais pioneira e mais focada nos clientes. Sua mensagem será menos alemã, e menos focada na excelência técnica de seus carros, e mais a de preocupação com as pessoas.

Postagens relacionadas:

43 comentários:

  1. Tenho 34 anos e sou cliente desde 2001 e ja estou em meu sexto carro da marca.

    ResponderExcluir
  2. A ideia e boa e se for bem implementada tem tudo para dar certo! Tem uma enorme rede de concessionária, ótimos carros, falta agora rever o preço e período de revisões como a honda, Toyota e hyundai. Outro passo e a qualidade das oficinas e atendimento. A audi poderia aproveitar e usar a VW para revisões TB. Muitas pessoas deixam de comprar um a3 por falta de concessionária para revisão na cidade.

    ResponderExcluir
  3. Acredito que já iniciaram a nova estratégia mediante o Golf nacional 1.6 e mudança de motor do Jetta para o 1.4 tsi. Provavelmente os próximos passos é a adoção do 1.0 tsi em todos os modelos de entrada e o 1.4 tsi como padrão no Golf e outros carros mais caros. Vale dizer ainda que a adoção do câmbio tiptronic em todos os veículos deverá ser uma prioridade, reduzindo assim os tais custos de manutenção e isso também vale para os supracitados motores. Mediante a nacionalização os custos do seguro tendem a cair e sobre o consumo o 1.0 tsi é super econômico, fazendo até 23 km/l na Europa. Eu acho que um prazo de cinco anos é o suficiente para concluir a migração, pois a Volkswagen já deve ter percebido que o mercado está se atualizando rapidamente e a Hyundai parece que ditou bem as mudanças que vimos no mercado automotivo brasileiro nos últimos anos, por isso um prazo de dez anos é excessivo. Talvez o tal ano de 2018 na verdade seja a meta real da Volkswagen e dizer "5-10 anos" seja mais para enganar a concorrência. O lançamento de um Gol e Voyage 1.0 tsi com câmbio tiptronic baseados na plataforma MQB fariam a montadora alemã se tornar novamente um referência no mercado e inclusive em vendas, que é o que interessa ao citar os números do mercado sul-africano.

    ResponderExcluir
  4. Um bom começo seriam revisões anuais para toda linha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai depende da construção do motor e seu grau de refinamento e precisão acontece que em 6 meses o óleo degrada e não cumpre o seu papel, e pode danificar o motor
      talvez seria a troca por um óleo que aguentasse 01 ano sem perder as suas caracteristicas

      Excluir
    2. Sou contra, um ano com o mesmo oleo e filtro no motor é problema, não importa se vc roda 20 mil ou 7 mil km por ano, um carro pra ser longevo precisa visitar a oficina cada seis meses para ser inspecionado.

      Excluir
  5. Precisa colocar a teoria em prática. Contudo, será difícil mudar a atitude das concessionárias. Um exemplo claro, a VW publica tabela de preços nas revisões, inclusive com mão de obra inclusa, daí vc vai fazer a revisão e querem te cobrar o dobro.
    Em que pese esses dissabores, torço para que um dia a VW chegue próximo da Toyota em pós venda.

    ResponderExcluir
  6. Nem reclamo tanto do custo das peças e dos valores em geral, o problema é não ser tratado de forma adequada, ainda pelo valor do produto, a insistência em empurrar produtos e serviços desnecessários (algo do tipo, seu carro está cheio de arranhões, detalhe não existia e o carro tinha 4 meses de uso...Carro entregue mais sujo do que entrou, fora a equipe pouco qualificada para as novas tecnologias....Não sei da Toyota e Honda, mas na Nissan a lavagem de carro ocorre, por dentro e por fora em todas as trocas de óleo e revisões...Isso cativa bem o cliente....Eu gosto dos produtos vw, mas já sai da marca por duas vezes, dente outros fatores, a má administração no tratamento do cliente e pouco treinamento com os novos produtos...No entanto, acho que a falta de profissionalização do funcionários é geral, quantas vezes entrei em uma loja ou padaria e a atendente me chamou de nem ou bem perto da minha esposa...Como esse tratamento fosse o correto ou o que eu queria no momento...Isso piora muito quando você chega com um produto de 70 mil e irá deixar no mínimo 300 reais em poucos minutos de serviço....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Padaria" estava pensando nessa palavra Fraga. Sinceramente, o pós-venda da volkswagen é realmente assustador. A sorte deles foi na robustez dos veículos ha décadas atrás. Isso deu-lhes fama. No entanto, a disseminação da tecnologia e conhecimento criou uma "robustez mediana". Ou seja, uma marca já sabe criar um carro resistente para um país.
      O problema é o pós-venda. A Toyota entendeu isso e mesmo com falhas na rede, faz o carro japonês não ter concorrência. Olha a venda do jetta e do corolla. O jetta(carro muito interessante) perde para o sentra!
      Um relato: meu colega teve problema no sentra dele dentro da garantia. Um guincho foi ao encontro do veículo. Levaram meu colega para casa e Nissan disponibilizou um veículo para ele não ficar a ver navios.

      Enfim, acho uma decisão acertada da VW, não acredito que vão cuidar melhor dos clientes nos próximos 3 ou 4 anos. Pois, a curva para implantar uma nova cultura dentro de uma instituição é longa. Mas, torso pela marca no país. Faz parte da minha história

      Excluir
    2. Eu sempre namorei a compra de um Toyota, mas como sou autoentusiasta e leio bastante sobre tecnologias sempre acabo optando por mais motor ou mais segurança, suspensão moderna e etc..Sempre falo com amigos, caso uma das japas fizer um carro que caia no gosto, certamente casarei com a marca....Vamos ver o novo civic, apesar de não gostar de carros muito desenhados...
      Acredito que a liderança de décadas e o lucro exorbitante prejudicaram as maiores montadoras do país...Mas vejo com bons olhos os últimos anos da VW e ford...Carros estão mais seguros e modernos....
      Abraço...

      Excluir
  7. Ainda, dentro da própria marca existem autorizadas com serviços bem diversos, já vi conhecidos detonarem a Toyota por não cumprir o combinado...

    ResponderExcluir
  8. A mudança já começou com o Golf nacional. A VW lançou uma versão mais barata (R$# 3.300 reais mais barato que o mexicano, (Comfortline), com motor 1.6 aspirado, susénsão e cãmbio mais robustos, suaves e silenciosos.
    E ainda no modelo Highline deu um motor 1.4 flex com 150 cavalos (10 cv mais potente), que deixou o Golf nacional mais rápido e econômico que o importado.
    E como se não bastasse, deu ao Golf nacional a mesma transmissão do Golf vendido nos EUA, o TipTronic de 6 marchas (melhor câmbio automático de seis marchas do mundo).
    E para completar, a suspensão traseira veio bem melhor que a importada, pois a nova semi-independente é mais macia, robusta (não desalinha nunca a traseira) e confortável que a usada nos Golf importados.
    Ou seja, a VW deu aos brasileiros um Golf mais adequado à sua realidade e aos seus gostos. E ainda tem o Golf GTI para quem quer correr, com câmbio automatizado DSG, suspensão multilink (melhor apenas acima de 200 Km/h).
    Em resumo: mesmo nos carros dá para ver que a VW mudou, pois dá aos brasileiros um Golf melhor que os mexicanos e alemães (e quem já dirigiu os dois confirma).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Golf 1.6 é retrocesso e é apenas um veículo.

      A VWB precisa revisar toda a sua linha, a começar pelos de entrada; Fox, Gol, Voyage e Saveiro que estão totalmente desatualizada. O cambio i-motion deveria ser aposentado.

      O Polo sim era um carro decente, mas em vez de atualizar a VWB tirou de linha.

      O UP! apesar de atualizado é muito espartano. Precisa melhorar o interior que é muito rústico.

      O Jetta sim evoluiu, com novo motor 1.4 TSi e suspensão multilink.

      A VW deveria seguir o exemplo da Honda. O carro mais antigo é o Civic com plataforma de 2011 e vai receber nova plataforma este ano.

      Excluir
  9. Fica a minha torcida para que isso realmente aconteça. Já tive vários carros da VW: o antigo Fusca, Gols de três gerações e semana passada realizei o sonho de adquirir um Golf. O carro é sem sombra de dúvidas um primor da engenharia. O tempo dirá se além de um projeto acertado o carro também oferece um pós-venda à altura.

    ResponderExcluir
  10. O Golf 1.4 está quase custando o preço antigo do GTI, caraca tudo isso é efeito do dolar a 4 dilmas?

    ResponderExcluir
  11. "Isso não significa que serão os mais baratos no momento da compra ... mas a empresa pretende deixar claro que o custo de usar o carro VW é menor menor ... e ainda terá maior valor de revenda."
    Esse sempre foi o discurso da VW, ou seja: é mais do mesmo. Só que quem sabe fazer conta vê que não é bem assim. Maior valor de revenda não cobre o que o comprador teria ganhado se a diferença que pagou a mais tivesse ficado investida.

    ResponderExcluir
  12. O que eu vejo no grupo de redes sociais e em revista especializadas que o golf no pós venda deixa a desejar tanto na demora do conserto e não fornecer um carro reserva enquanto o carro esta em concerto,o tempo de chegar às peças de conserto demoram e os preços sugerido pelo site da VW muitas vezes não são seguidos na prática.

    ResponderExcluir
  13. Há um equívoco gigantesco quem pensa que pós-venda é apenas focado em serviços e atendimento ao cliente.
    Na Engenharia, pós-venda é tudo que ocorre após a venda de um veículo: custo de revisão, custo de manutenção, custo de seguro, custo com combustível, confiabilidade, durabilidade, suporte ao cliente, infra-estrutura, entre outros.
    Pós-venda estruturado não ocorre da noite para o dia ou de um ano para outro. Exige muito investimento para retorno em longo prazo (+5 anos).

    Não é de se esperar nenhuma mudança surpreendente nesse meio tempo ...

    ResponderExcluir
  14. Este carlos eh um fanfarrao..sempre este papo chato de querer comparar banana com laranja.Ele e o blog insistem q a VW baixou o preco do Golf Conforline.Ele soh nao escreve q o anterior era 1.4 TURBO e este atual eh 1.6 aspirado.Ou seja,eh obvio q deveria ser mais barato.Entao nao tem nada de comparar confortline 1.6 sendo q nao existia antes. Mas voltando ao topico,ja passou da hora da VW olhar para o cliente e parar com esta prepotência d empurrar o q ela acha q eh melhor e nao o q o cliente quer:carros de qualidade e de preco justo. E antes q venham criticando,sou um cliente da marca q tem um Golf Highline e nem por isto deixo d reclamar do pos venda.

    ResponderExcluir
  15. O atendimento nas concessionárias VW e Ford são os piores que existem.

    ResponderExcluir
  16. Pessoal eu fiz um teste driver nesse golf 1.6 msi e gostei muito viu? na concessionaria que eu fui tinha um golf mexicano do lado e pude comprarar...o designer não mudou nada !!o acabamento é o mesmo e os dois carros tem as mesmas coisas.
    mais ao andar tem diferenãs muitas...o mexicano é mais vívido sim, mais quando passa em lombadas e buracos o mexicano dá uma pancada seca...dá até dó da suspensão...e vc sente o sacolegar forte dentro do carro.
    e quando passa em rua de pedra...tipo ouve um chocalho debaixo do carro.

    aí então fui andar no Golf nacional. era um confortline msi automático, como disse, o designer é igual, mais o carro é muito mais gostoso de dirigir gente! é serio..tudo bem, o motor não tem aquela puxada, mais a suspensão é um primor, mais macia....vc nem sente os buracos e valetas..parece q o carro flutua...e, quando passa em um buraco grande, só ouve um "blum blum"...não dá pacada seca nada....ficou MUITO MELHOR a suspensão do nacional. o câmbio ficou melhor tb...an dei em várias ruas de pedra...de terra...e nada de ruído metálico...nem retenções de marchas...nadinha!
    depois ainda fui fazer um test-driver no a3 flex nacional, e é melhor ainda...
    gente, podem crer! esse golf nacional ficou show! muuiiiiitoooooo melhor Q o mexicano....eu achei, e minha amiga que testou comigo tb, tanto Q ela já encomendeu um conmfortline msi at.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, me desculpe, mas seu comentário está um pouco estranho... Em 1 ano e meio com o carro, ainda não ouvi essa batida seca da suspensão... Se você deseja defender o GOLF Nacional, basta comparar com os rivais... Mas essa história de colocar GOLF x GOLF é roubada... Ninguém tá caindo nessa...

      Excluir
    2. Tenho que concordar, Carlos, dizer que o Golf multilink da pancada seca ao cair em buracos é coisa de quem nunca andou nele...

      Excluir
    3. Que tal mandar uns Golfs MSI para a Alemanha? Pois assim os alemães podem aprender com os brasileiros como se faz carros.
      Esse MSI só vale a pena o manual, sem nenhum acessório e ainda com um bom desconto no concessionário.

      Excluir
    4. sabe axo que com o golf importado acontece a velha história dos donos ficarem com medo de relatar os problemas com medo de desvalorização e acabam evitando falar dos problemas.
      entao axo que quem nao tem o carro é melhor para avaliar. eu andei nos dois na concessionaria em sp, tem o confortline tsi dsg7 e o confortline msi 1.6.
      e há sim uma diferença muito grande de rodar no golf nacional. ao rodar no mexicano em ruas de baixa qualidade, ouve-se claramente o ruído da suspensão traseira trabalhando, e quando peguei buracos ou lombapadas passando bem rápido, no mexicano ouvi várias vezes o fim de curso da suspensao e batida seca, igual ao do hb20 até 2015.
      ai fui andar no nacional e e é outra historia totalmente diferente. a suspensão não faz barulho nenhum,,,zero. o cambio nada de ruído.
      aí fiz a prova de ruas escburacas e de pedra. passei correndo até mais Q com o mexicano, e nada de batida! nada. O curso da suspensão é muito mais elevado, vc passa no buraco e ouve um "plum-plum"..só isso.
      a diferençã é da agua pro vinho...muito grande mesmo!
      eu recomendo Q quem for comprar fazer o teste em via esburacada e vera que o golf nacional tá muito melhor adequado para o Brasil.
      pessoal dono de golf importado tem richa dos nacionais...acham que só porque o deles é importado é melhor, mais nao é nao.
      tipo, até o vendedor disse que muita gente tá querendo só o nacional...o importado vai desvalorizar, podem crer, mais vai vender tb, pois muita gente nem sabe que tem importado nacional.;.póvo qer golf.
      mais eu preferi bem mais o nacional. vei...o 1.4 tsi flex nacional vai ser o bixo"""o cao chupando manga.

      Excluir
    5. Hahaha, típico pensamento de pessoa desprovida de conhecimento (sem querer ofender). Em primeiro lugar, qualquer pessoa com um pouco de conhecimento, sabe que carro não é investimento, tanto que não suporto aquele discurso q vc só pode comprar de uma cor, senão desvaloriza, coisa e tal. Essa comparação de nacional e importado já perdeu o sentido, afinal, já já quem quiser um carro novo, só poderá comprar o nacional. Dizer que o MSI é mais gostoso de dirigir que o TSI, bom, me faz duvidar que realmente já dirigiu um na vida, pq o comportamento que vc relatou não condiz com o carro. Quanto a sua amiga, sem preconceito, mas estou para conhecer ainda uma mulher que hoje desembolse mais de 80k pra comprar um Golf... Tenho dois conhecidos que trabalham em ccs da VW e veja bem, eles nunca venderam um Golf para mulher... Enfim, quem tem o importado não está afim de trocar em um nacional... Quem não tem, vai ter q comprar o nacional q é o q tem pra hj, ou comprar um importado semi-novo. O Golf nacional está longe de ser ruim, infelizmente só é menos equipado e mais caro do que eram os importados... Lamentável!

      Excluir
  17. Minha experiência no pós-venda da VW tem sido excelente, tive um Gol G5 Seleção 10/11 adquirido 0km na concessionária Recreio Veículos no Recreio dos Bandeirantes RJ/RJ, não tive um único problema em 65000 rodados, fiz todas as revisões na concessionária, sempre me ofereceram serviços extras à revisão, porém sempre indicando serem opcionais ao valor básico para manter a garantia do carro. Passei pra frente o carro em agosto de 2015 quando adquiri um Golf Comfortline DSG 14/15 e minha esposa adquiriu em janeiro de 2015 um Move Up MPI completo manual, o Move Up já fez as duas primeiras revisões e o Golf já fez a primeira. A concessionária peca pela demora no atendimento e na entrega do veículo, nas 3 revisões que submetemos os 2 carros, os retiramos apenas no dia seguinte, mas fora isso, rigorosamente a mesma experiência que tive com o Gol na mesma concessionária.

    Eu acredito que existam outras experiências, sei de concessionárias em cidades menores no interior vendem os carros em valor acima do preço sugerido pela marca, sei de concessionárias mesmo em cidades grandes que cobram preços esdrúxulos nas revisões, mas não vivi isso nesses 5 anos e pouco que me relaciono com essa concessionária em específico.

    Bem essa é a experiência que tenho,
    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  18. Não saio da linha VW tão cedo. Tô muito satisfeito com o Up, porém não trocaria ele por um Gol ou Fox, pois o pequenino tem um projeto muito superior em termos estruturais. Minha intenção é trocar pelo Up TSI, porém estou acompanhando de perto o índice de reclamações dos proprietários, com relação ao motor turbo, que vem apresentando problemas. Espero que a VW sane todos os defeitos nos próximos 3 ou 4 anos.

    Na faixa dos 30-45 mil, não consigo optar por outro modelo que não seja o Up. Ele pode ser muito mais simplório que um HB20 em termos de conforto, acabamento e design, mas a carroceria sólida e segura vale cada centavo investido. Recentemente fiquei um tempo utilizando um Honda Fit 2014(geração anterior à atual) e, apesar de ser um carro de categoria superior, não via a hora de voltar pro Up. O Honda com a mesma quilometragem do VW(cerca de 20000km) fazia muito ruído de acabamento e o chassi torcia nitidamente em valetas, curvas, ruas com ondulações, etc. O Up parece um bloco de ferro maciço nessas situações, a rigidez torcional faz toda a diferença no prazer de dirigir um carro. Sem contar que não faz um grilhinho sequer de acabamento, mesmo em rua de paralepípedo. Projeto top, de qualidade, e em um carro de entrada, coisa rara de se ver.

    Estou aguardando a resolução dos problemas do motor TSI e quero ver esses carros rodando 80, 100 mil km antes de comprar um. Quando sentir confiança de verdade, será minha opção nº1. O Up MPI já me agrada muito em desempenho, mas falta um "complemento", um vigor de motor 1.6/1.8 que em um carrinho pequeno como o Up deve ser uma delícia e que o TSI deve suprir com folga.

    Meu sonho de consumo, desde moleque, é ter um Golf também. E um dia eu vou realizar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente o que vivemos com nosso UP, realmente um carrão!

      Excluir
    2. Eu iria de UP TSI de olhos fechados. O motor tem garantia de 3 anos. Vale muito a pena. A diferença é pequena em relação ao aspirado.

      Excluir
    3. Mesmo com 3 anos de garantia, não quero correr o risco de ter um carro 0km com o motor sendo refeito, seria um desgosto enorme. Vou esperar até o conjunto ter maior confiabilidade.

      O Up é realmente um projeto de primeiro mundo. A aparência simples dele gera até piadas, porque o consumidor em geral só enxerga aparência, visual. Por dentro daquele estilo "caixinha", carrinho de brinquedo, existe uma contrução refinada, com aços nobres e soldagem de ponta. Um bom entendedor percebe as qualidades dele só de sentar no banco e empunhar o volante.

      Excluir
  19. O designer e igaul mesmo... Kkkk. O projeto da carroceria e o mesmo e da mesma pessoa.....kkk

    ResponderExcluir
  20. O pessoal tem essa bobeira de revisão de 1 ano, eu particularmente não seguiria revisões anuais, por motivos lógicos um carro que roda pouco uns 5mil km em 1 ano e um motor que tem muita chance de desenvolver borra, além do mais o único custo que vc tem com um carro zero km e troca de óleo. Troca de óleo na minha opinião vai depende do uso da pessoa. Período de 04 a 06 meses ou de 5 a 7mil km isso para um óleo 100% sintético. Se o uso for severo em trânsito pesado etc, esse período de troca deve ser reduzido. Carros da Hyundai por exemplo 1 ano ou 10mil km são motores que vão sofrer com o tempo o dono atual não vai sentir agora o segundo ou terceiro dono vai pega um motor bem cansado. A única coisa que Vw precisa trabalha e nos preços o preço de R$ 236 eo valor padrão para quase todos os carros da marca na primeira revisão contra R$ 160,00 da Hyundai, na minha opinião a Vw deveria lança os planos de revisão de 5mil km ou 6 meses ou 10 mil ou 1 ano, eu mesmo faria com 5k meu up TSI pretendo fazer a primeira troca com 5 meses, acredito que vai está com uns 5mil km.

    ResponderExcluir
  21. Eu nunca vi os motores da honda Toyota e hyundai dando problemas por causa da revisão anual com 10 mil km....

    Acho excesso de zelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi Corolla com 15 anos de uso com motor e câmbio originais.

      Excluir
  22. Os carros da VW sao otimos. Mas o fato de voce contar com a sorte na hora do pos-venda complica bastante. Nos meus Honda, usei 3 concessionarias diferentes (uma delas inclusive quando tive um problema em viagem) e o atendimento e servico impecaveis. Imagino que na Toyota seja a mesma coisa. Se a Volks conseguir juntas seus carros super tecnologicos com um pos venda exemplar, nao vai ter pra ninguem. Nesse meio tempo, ate conseguirem mudar a imagem, se conseguirem, o brasileiro vai preferir pagar por carros menos tecnologicos mas com pos venda sem dor de cabeca. E sinceramente nao entendo porque todo topico neste blog os comentarios acabam indo para o Golf. Se fizerem um topico sobre biscoito de polvilho, bem possivel que tambem aconteca isso.

    ResponderExcluir
  23. Andei hoje num Golf Comfortline 1.6 AT6 brazuca. Óbvio que o desempenho não é o mesmo do turbo, mas po trajeto urbano dá bem conta do recado. O acabamento é muito bom, muito acima dos concorrentes, comparável a bons carros importados, além do pacote de segurança estar todo lá (controle de tração, estabilidade...). Não gostei, já conhecia, do rídiculo teto-solar que deixa passar lunimonsidade (pelos furos) e esquenta a cabeça kkk
    Quanto a VW abrasileirar o atendimento: NÃO! tem é que germanizar tudo: atendimento correto, eficiente e pontual. Não quero saber de pagar por um cafezinho melhor ou o funcionário querer perguntar da minha vida.

    ResponderExcluir
  24. Sou cliente a 9 anos e estou no 3° carro. Nunca um vw me deixou na mão. Todo foco no pós venda será bem vindo, o cliente agradece!

    ResponderExcluir
  25. Neste blog aparecem umas sacadas boas. A do polvilho que vira discussão sobre o Golf é uma das tantas.
    Aproveitando, um pouco mais do mesmo. A fixação no golf com certeza é porque quem gosta de carro ao ponto de escrever na madruga indiguinado com o fourcars, tem que gostar da oportunidade que nos foi dada em fim de 2013 em ter (ou sonhar) um carro dos sonhos. O preço, entre 67k e 100k para ter um carro de revista. Agora, há toda está polêmica da tropicalização do Golf. Ela se justifica. O carro realmente faz barulho na suspensão traseira e retém a 1a se o sujeito não arrancar com uma leve subida de giro (em manobra em terreno irregular fica complicado).
    Fora estes defeitos há o barulho de engradado de cerveja em piso irregular (vidro aberto e orelha atenta). Este carro tem vidros isolantes (temp. e som). Tem que querer ouvir o barulho, baixando o vidro quando estiver passando em piso ruim.
    Fora isto o Golf é uma obra-prima na qual a fabricante adaptou para o país colocando um câmbio mais atrasado e uma suspensão idem. Manteve todo o resto do requinte. Quem estiver andando em um alemão ou mexicano, em uma boa estrada (aqui no Brasil isto existe) vai ter o prazer de rodar em um carro de revista que tinha preço de corolla gli.
    Na minha opinião o que encomoda (e faz boa parte da discussao no blog) é ter
    de ler que agora temos o golf que merecemos - mais caro e menos revolucionário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A infeliz adequação ao uso...No entanto, quase todos concordam que não é apenas câmbio e inflação..Inferiorização do produto sem repasse para o preço...Existia a possibilidade de adequação da nova tecnologia ao país, como algumas marcas já fazem com a suspensão..Apesar de achar que a tal semi-independente faz bem o serviço...Acredito que a reclamação fica para o novo preço da versão apimentada, distanciou o carro da maioria dos mortais....Ou melhor do carro de revista....

      Excluir
  26. Tenho um Civic 13/14 LXS manual. Já tive alguns problemas e nem todos resolvidos ( vidro do motorista que faz barulho, por exemplo), barulho no painel( 3 vezes para resolverem), repintaram os parachoques( são brancos e amarelaram), console central treme acima de 120 km/h (não resolvido), sem falar que com 1000 km/h tive que trocar componentes da embreagem por conta de uma trepidação ao engatar a ré.
    Posso ser muito azarado, mas minha vontade seria comprar um Golf numa concessionária Honda e fazer manutenção na rede Toyota.

    ResponderExcluir
  27. De verdade acabei de comprar um audi 2.0 tsfi ambition já nacional. O carro e um espetáculo assim como o gti porém mais discreto. Por outro lado fiz o teste drive no a3 flex e gostei muito do que vi. Na prática ficou sim mais rápido e mais suave que o dsg e multlink. Andem e digam se ficou ou não mais gostoso de dirigir....

    Em resumo o novo câmbio funcionamento a.muito rápido e suave, sem barulho e trancos.... Perde sim em agilidade,as ganha em suavidade. A suspensão ficou macia mas muito muito estável.... Juro que abusdi do carro em rotatórias e passei vergonha..... Realmente te o carro não desgruda fácil não...

    ResponderExcluir
  28. O problema que vejo na marca é justamente isso o alto custo de manutenção e desvalorização da propria marca com seus carros na hora de uma troca por exemplo tive uma Amarok que foi avaliada pela FIAT, Mitsubish,...em media me pagavam 70.000 quando fui ver quanto a Vw pagaria na amarok para eu comprar uma Tiguan zera tive uma triste surpresa ofereceram 55.000 no meu carro e isso foi em duas css na Tagualto e Saga veículos em Brasília. Acabei vendendo minha camionete pelo valor justo por 80.000 uma triste história tomara que mudem e valorizem mais seus clientes, hoje ainda estou na linha VW uma Tiguan porque gosto demais da marca e a qualidade dos carros, caso não mudem esse pensamento com seu clientes irão perder muito.

    ResponderExcluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.