Car.blog.br

Pesquisar este blog

Fiat busca apoio de investidores para fusão com a GM

Categorias: , , 23 Comentários

O presidente da Fiat Chrysler Automobiles, Sergio Marchionne, não desistiu de tentar fundir sua empresa com a GM, mesmo após a negativa da presidente da GM, Mary Barra. Marchionne está buscando apoio de banqueiros e investidores do mercado financeiro para tentar convencer a GM a se fundir com a FCA.


A estratégia do presidente da Fiat Chrysler é convencer acionistas da GM a pressionar o corpo executivo da empresa a concordar com a fusão com a Fiat Chrysler, vencendo, dessa forma, a resistência da presidente da GM e de seus auxiliares.

Além da GM, Marchionne está adotando o mesmo procedimento com acionistas de uma montadora europeia.

A GM, em março, chegou a um acordo com um grupo de acionistas, por meio do qual irá lançar um programa de recompra de ações de US$ 5 bilhões de dólares, exatamente para evitar uma guerra judicial com investidores da empresa.

O presidente da FCA, por sua vez, vem afirmando repetidamente que é necessário reduzir o número de competidores na indústria automobilística mundial para fazer frente aos pesados ​​investimentos necessários para desenvolver veículos mais limpos e mais seguros.

Na semana passada, Marchionne enviou um email para a CEO da GM solicitando uma conversa para tratar de uma possível fusão - solicitação que foi negada pela presidente da GM. Além da GM, o presidente da FCA manteve contatos com outras empresas.

FCA desesperada?

Alguns analistas do mercado automotivo apontam que a Fiat Chrysler está desesperada, e que não há motivos para a GM fundir-se com ela. A FCA sofre com vendas declinantes na Europa e sua participação de mercado na China não chega a 1%. Estar fora do mercado asiático significa estar fora de metade do mercado automotivo global.

Esses analistas sustentam que a Fiat Chrysler, hoje, tem apenas dois ativos de valor: a Jeep, com vendas superiores a 1 milhão de unidades, e a Ferrari, que será separada da FCA ainda este ano. A Jeep seria interessante para GM, que poderia expandir sua posição no mercado de SUV nos EUA, mas a Ferrari não agrega nada. E na Europa as duas empresas estão em posição de fraqueza.

Fonte: The Wall Street Journal via Auto News

Postagens relacionadas:

23 comentários:

  1. A Fiat vai acabar falindo desse jeito. Mas parece que só o Brasil que sustenta a FCA. Ultimamente nem tanto mas até que tem vendido bem.

    ResponderExcluir
  2. Isso se chama desespero. Correta a GM. Não dá para se fundir com algo pior. A Fiat está totalmente atrasada. Não tem projetos interessantes na atualidade e nem para o futuro próximo. Vamos ver até quando vai poder se sustentar vendendo velharia.

    ResponderExcluir
  3. FCA em liquidação.
    Europeia...só pode ser francesa.
    Renault e Nissan, creio que não.
    Sopa de letras então?
    PSAFCA FCAPSA...
    Uma mais mal da pernas que a outra. Casamento perfeito...

    ResponderExcluir
  4. Vendendo bem no Brasil? Somente a FCA quedou 25%.

    ResponderExcluir
  5. VW poderia comprar a FCA e reestrutura-la e agregar qualidade e tecnlogia e investir em carros pequenos os citycars por exemplo. Não gosto da FIAT mas acho que ela tem uma parcela importante no comercio de automoveis mundial e fara falta se não existir mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que o grupo inteiro não é de interesse e nem interessante para nenhum conglomerado.
      Mas fatiado sim...
      Como a Ferrari está a parte e reservada para garantir o futuro dos Agnelli...
      Talvez a fatia mais interessante é a Jeep que seria de interesse de varias marcas.
      Alfa -Romeo que num passado não distante já foi pretendida pela VW.
      Fiat que têm um bom mercado na Itália e Brasil poderia atrair algum asiático...

      Excluir
    2. Mas o fiat 500 não é justamente isto? Na Europa ele tem um motor até mais moderno que o do aclamado vw up! (o twin air).

      Excluir
  6. Se isso tá vazando para a mídia é porque a situação da Fiat é terminal. Não está dando tempo pra ver se a associação com a Chrysler renderia. E no mais importante mercado dela, nós (Brasil) não há boas perspectivas de venda - não fiquem indignados comigo, o próprio Ministro da Fazenda diz que 2016 será um ano de arrumação também.
    Thyago Moraes tem razão: seria uma perda no segmento de city-cars. Nos outros (sedan médio, hatch médio, SUV's, a verdade é que a Fiat tem muito pouca influência).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é bem assim, a Fiat é a maior vendedora de comerciais leves em vários países.

      Excluir
    2. Creio que é bem assim mesmo. Ela é líder no Brasil e Itália. Mas, a lucratividade é baixa, pois o segmento de entrada é bastante concorrido. Freqüentemente, vende-se a preço de custo ou até menos a fim de fazer caixa ($).
      A queda do mercado brasileiro foi muito forte, afetando a receita da FCA. Na Itália, o mercado também está fraco. Mal vende nos EUA e na China. Na Argentina, outro mercado tradicional da Fiat, além de fraco a marca é fraca por lá.
      De qualquer modo, não é interessante para os consumidores a morte da Fiat. Pelo menos, aumenta a concorrência. Mas, que os seus modelos estão bem defasados, isso é notório.

      Excluir
    3. Acho que o maior problema da marca é que ela perdeu um pouco da tendência em inovar (por exemplo, o palio foi o primeiro popular a oferecer airbag e o siena o primeiro tetrafuel). Eu não entendo o motivo da fiat não trazer o seu motor twin air para equipar os carros do Brasil, já que o país é o seu maior mercado. Este motor já ganhou até prêmio internacional de melhor motor do ano e é mais eficiente que qualquer 3 cilindros do mercado.

      Excluir
    4. Parmera meu caro, não é bem assim foi referido ao comentário anterior, da Fiat só ser forte em compactos. "Não é bem assim, em muitos países a Fiat domina o segmento de comerciais leves", ou seja, a Fiat também é forte em comerciais leves, não somente hatches.

      Excluir
    5. Estava claro o texto. E, repito o comentário, dizendo que não é "bem" assim. Melhor dizer, "mal" assim.

      A Fiat não é tão forte, pois Brasil e Itália não sustentam a montadora por muito tempo. Vende muito agora, mas sacrifica sua lucratividade. Ademais, os carros estão muito defasados e não há caixa para investir em novos modelos e tecnologia de ponta.

      Excluir
    6. Mas não foi nesse sentido que fiz meu comentário Parmera. O colega disse que a Fiat é forte apenas em compactos. Eu disse que além de compactos ela é forte em comerciais leves, somente isso que eu quis dizer, independentemente dos outros aspectos.

      Excluir
  7. Marcchione tem que fazer trabalho hercúleo para salvar a Fiat depois da merda que os donos deixaram ela, ficou 10 anos parada no tempo, viu o mundo passar e não fez nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Fiat continua a mesma. Ele não salvou nada.
      O que salva a Fiat Chrysler no momento é a Jeep, cujas vendas nos EUA estão bombando.
      E estão bombando porque os preços do petróleo (e da gasolina) nos EUA despencaram, então o povo da Gordolândia sente-se inclinado a comprar as banheiras da Jeep com motor V-8....
      O resto na FCA não salva nada. Está tudo um desastre.
      Não investiram em carros elétricos. O único carro elétrico que a FCA tem o Fiat 500e que é apenas de mostruário.
      A FCA não tem tecnologia híbrida.
      E não tem nem sombra de tecnologia de condução autônoma.
      ZERO. como ela vai competir no futuro próximo nos EUA e Europa?
      Sem chance.

      Excluir
    2. Menos Carlos, até porque os carros totalmente elétricos, de uma forma geral, não deslancharam (inclusive o e-up!).

      Excluir
    3. Acho que os novos produtos da Jeep têm méritos próprios. Americano não compra carro ruim, mesmo se a gasolina for de graça. Aliás, é justamente por isso que GM e Chrysler faliram.

      O novo Cherokee é sucesso de público e crítica no mercado americano. E não tem motor V8.

      Excluir
    4. Eu já entrei no 500E,tem um acabamento legal,mas é caro,32 mil Verdinhas nos EUA,e 140 km de autonomia,ele apanha do E-Up que é mais bonito,mais barato e tem mais autonomia.
      Carro elétrico não vai pra frente?
      Tesla S manda lembranças.
      http://revistafullpower.uol.com.br/2015/05/tesla-model-s-quebra-dinamometro-com-quase-100-kgfm-de-torque/

      Excluir
  8. Quando leio nos comentários que os preços vão cair eu me mantenho cético, pois já faz dois anos que falam isso e nunca há redução, pelo contrário apenas aumentos.

    Vou fazer um calculo básico para demonstrar minha opinião:

    Hipoteticamente uma empresa vende 30 carros em um mês ganhando R$ 2.000,00 de margem por carro = R$ 60.000,00.
    Se a mesma empresa reduzir a margem para R$ 500,00 por carro e isso resultar em um aumento de vendas e ela vendar 100 carros vai resultar em R$ 50.000,00 de lucro.

    Qual é o menos pior?

    Por isso acho que, pelo menos por enquanto não vamos ter essa felicidade de presenciarmos preços menores.

    Quanto aos estoques eles vão controlando a produção, dando férias coletivas, etc.

    ResponderExcluir
  9. Ruim ou não, a nova Giulia vem aí ! 😊
    http://lpianta.tumblr.com/image/121148255122
    http://lpianta.tumblr.com/image/121148220777
    Só quem dirigiu uma Alfa sabe o que é uma Alfa !

    ResponderExcluir
  10. Isso pq lançou muita coisa ,já já tudo passa ,sem falar no inúmeros problemas no cambio da jeep. Ai amigo pode fechar as portas.

    ResponderExcluir
  11. Aí meu Deus a Fiat vai falir.. Corram para as montanhas..

    ResponderExcluir

Comentários que contenham palavras de baixo calão (palavrões),conteúdo ofensivo, racista ou homofóbico serão apagados sem prévio aviso.